Homens com fuzis reforçam segurança no aeroporto de Londres

O aeroporto de Heathrow, em Londres, tem segurança reforçada neste domingo, 11 de setembro, dia em que os ataques terroristas aos Estados Unidos completam 10 anos. Considerado o principal centro de conexões aeroviárias da Europa, o terminal britânico já está acostumado a forte presença policial desde as ações da Al-Qaeda utilizando jatos comerciais.

Apesar disso, o incremento no esquema de segurança é ainda mais perceptível neste domingo, com destaque para os terminais 1 e 3, por onde circulam passageiros das companhias American Airlines e United Airlines. Homens armados com fuzis (algo bastante incomum para a Inglaterra fora dos aeroportos), viaturas das unidades de choque e cães farejadores especializados em explosivos circulavam pelos saguões de check-in de forma ostensiva nesta manhã.

Dezessete voos entre Heathrow e o aeroporto JFK, o principal de Nova York, estão previstos para este 11 de setembro, além de outras dezenas de viagens entre Londres e diversas cidades dos Estados Unidos. Até o meio da tarde (no horário de Londres), nenhuma rota havia sido cancelada ou atrasada por motivos de segurança.

A data é emblemática para todos os passageiros de avião, em especial para aqueles que precisam viajar aos Estados Unidos utilizando uma das companhias aéreas que foram alvo dos ataques terroristas de 2001. Nos balcões de check-in das empresas americanas, chamava atenção a grande presença de funcionários e a relativamente escassa movimentação de passageiros.

"Muita gente ainda fica aflita com o 11 de setembro e prefere evitar as viagens neste dia", disse o funcionário de uma companhia aérea dos EUA que pediu para não ser identificado. "Mesmo os que estão embarcando hoje não escondem um certo temor - ainda que contido - por causa do que ocorreu há 10 anos. Já faz tempo, mas o dia segue bastante vivo na memória, sobretudo dos moradores de Nova York", afirmou.

A passageira Patricia Gonzalez, que embarcou em um voo rumo ao aeroporto JFK, não escondeu o desconforto com a data. "Se pudesse, teria evitado voar hoje. Só que viajei a trabalho e não pude escolher os dias. Mas, apesar de tudo, acredito que não teremos problemas", completou.

Homenagens no Reino Unido

Durante todo o dia, dezenas de cerimônias ecumênicas foram realizadas ao redor da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Em Londres, as 67 vítimas britânicas do 11 de Setembro foram lembradas em uma missa celebrada na catedral de Saint Paul.

O ministro do Exterior, William Hague, participou das cerimônias e exaltou a coragem e dignidade dos Estados Unidos e das vítimas de outros ataques terroristas, como as explosões no sistema de transporte público da capital britânica em 2005.

Hague declarou que "enquanto lembramos as vítimas do 11 de Setembro, também encaramos o futuro com confiança em nossos valores e fé na natureza humana."