Regime líbio teme ataques da Otan na fronteira com a Tunísia

O porta-voz do Governo líbio, Musa Ibrahim, assegurou na madrugada deste domingo que possui informações segundo as quais a Otan planeja atacar Ras Jedir, um ponto fronteiriço entre Líbia e Tunísia, para abrir caminho para um avanço rebelde.

"Temos informações que afirmam que a Otan planeja bombardeios intensos no ponto de controle fronteiriço de Ras Jedir, para permitir que entrem no território líbio grupos armados (rebeldes), alguns deles posicionados do lado tunisiano", disse à AFP Musa Ibrahim.

O porta-voz advertiu que este posto fronteiriço é um ponto de passagem de "milhares de líbios, incluindo mulheres e crianças", e que, se o bombardear, "a Otan cometerá um novo massacre" e um "ato ilegal".

Também convocou a comunidade internacional a intervir para deter a "agressão" contra a Líbia, e a "ONU a denunciar e condenar o tráfico de armas da Tunísia para a Líbia, que constitui uma violação das resoluções 1970 e 1973 das Nações Unidas".

Musa Ibrahim condenou os ataques "intensos da Otan em todo o território líbio ontem e hoje", principalmente na região de Abu Kamesh, a 10 km de Ras Jedir.

O ponto fronteiriço de Ras Jedir é há vários meses a única saída ao exterior para o regime líbio, submetido a sanções internacionais.

O governo do coronel Muamar Kadhafi acusa implicitamente o da Tunísia de estar permitindo um tráfico de armas financiadas pelo Qatar e destinadas aos rebeldes de Yebel Nefusa, uma região situada a sudoeste de Trípoli.