Unesco rompe parceria com a Líbia em protesto pela violência registrada no país

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) anunciou  hoje  (2) o fim da cooperação com a Líbia em decorrência das denúncias de violação de direitos humanos e crimes de guerra cometidos pelo governo do presidente Muammar Kadhafi. A entidade classificou de “evolução trágica” os acontecimentos registrados no país devido aos confrontos entre manifestantes contrários a Kadhafi e os seguidores do líder líbio.

Em comunicado, a Unesco informou sobre a decisão de anular a parceria com a Fundação Kadhafi. “A Unesco está envolvida em uma série de programas na Líbia. Muitas dessas atividades foram financiadas por meio de um acordo de parceria com a Fundação Internacional Kadhafi para Associações Humanitárias, assinado em 2001. Essa parceria está de  hoje  em diante anulada”, informa.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, afirmou que “tendo em conta a evolução trágica dos acontecimentos na Líbia – graves violações dos direitos humanos, bem como o incitamento à hostilidade e à violência ao mais alto nível contra a população civil -, interrompem-se todas as atividades e toda a cooperação com as autoridades”.

Desde o último dia 15, a Líbia vive confrontos diários entre oposição e forças de segurança. O último dado, divulgado pela organização não governamental Federação Internacional das Ligas dos Direitos Humanos (FIDH), é que cerca de 6 mil pessoas foram mortas nos embates. 

Segundo o comunicado, há disposição de retomar a parceria com a Líbia desde que sejam restabelecidos o respeito e a preservação dos direitos humanos no país. A diretora-geral disse que iria retomar a cooperação com a Líbia assim que os direitos do povo fossem plenamente respeitados. As informações são da Unesco.