Europa teme crise humanitária na Líbia

A Europa admitiu nesta quarta-feira temer que a feroz repressão dos protestos na Líbia provoque uma crise humanitária e decidiu enviar especialistas às fronteiras com Tunísia e Egito para avaliar as necessidades dos cidadãos líbios que começam a se exilar.

"Por enquanto, não fazemos frente a uma crise humanitária na Líbia, mas isso não significa que não estejamos preocupados, porque a situação é muito instável e evolui sem cessar", afirmou um porta-voz da Comissão Europeia.

O executivo da comunidade trabalha com dados da Crescente Vermelha, que alertou do "risco catastrófico" de êxodo em massa de líbios para a Tunísia, aonde já chegaram em torno de 5.700 pessoas em 48 horas. Bruxelas ainda não sabe quantas pessoas cruzaram a fronteira com o Egito.

Com o objetivo de obter seus próprios dados, a Comissão "decidiu enviar vários especialistas à Tunísia e ao Egito" e estuda enviar uma pessoa a Trípoli, "caso as condições de segurança permitirem", completou o porta-voz.

Uma vez que forem identificadas as "necessidades" dos refugiados, o porta-voz explicou que Bruxelas desbloqueará os fundos previstos para casos de urgência, até 3 milhões de euros em 72 horas.