Apesar do apelo, manifestantes não comparecem a protesto na Síria

A chuva, e não manifestantes, encheram as ruas de Damasco nesta sexta-feira depois das orações muçulmanas, no "dia de ira" que tinha sido convocado por ativistas online para fazer eco aos protestos no Egito.

Por uma semana, os ativistas apontaram esta sexta-feira como o dia da pacífica "revolução síria 2011" para colocar fim à "corrupção e à tirania".

A página do grupo no Facebook recebeu mais de 12.000 ''curtiu'' no início de sexta-feira.

Mas enquanto os manifestantes no Egito estavam ocupando as ruas de suas cidades para o 11º dia de protesto pela saída do presidente Hosni Mubarak, seu ímpeto revolucionário não reverberava de forma semelhante em Damasco.

As ruas de Damasco estavam calmas nesta sexta-feira, sem sinal de manifestantes. Apenas agentes de segurança apareceram em número maior que o habitual para monitorar as principais avenidas da capital, verificou um repórter da AFP.

"Os dissidentes sírios, incluindo curdos, não responderam a esse chamado porque acreditaram que protestos seriam ineficientes tendo em vista as condições atuais", disse Abdel Karim Rihawi, presidente da Líga Síria para a Defesa dos Direitos Humanos.