Congresso dos EUA rejeita declaração de Estado palestino

WASHINGTON - A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou na noite de quarta-feira uma resolução que condena as medidas unilaterais que declaram ou reconhecem um Estado palestino, respaldando uma solução negociada ao conflito entre israelenses e palestinos.

A resolução foi aprovada depois que o Brasil, que foi seguido por Argentina e Uruguai, reconheceu um Estado palestino de acordo com as fronteiras de 1967, os limites que existiam antes de Israel tomar a Cisjordânia e a Faixa de Gaza.

A medida, apresentada pelo democrata Howard Berman, reafirma o "forte respaldo" na Câmara de Representantes dos Estados Unidos a uma "resolução negociada do conflito israelense-palestino que resulte em dois Estados, um Estado de Israel democrático e judeu e um Estado palestino viável e democrático".

O texto também reafirma a "forte oposição a qualquer tentativa de estabelecer ou buscar o reconhecimento de um Estado palestino fora de um acordo negociado entre Israel e os palestinos", estimula as autoridades palestinas a "cessar todos os esforços que impedem o processo de negociação" e pede aos governos estrangeiros que "não façam tal reconhecimento".

O porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley, disse que tal reconhecimento da parte dos sul-americanos era "contraproducente" para a paz no Oriente Médio.