Hamas reafirma seu objetivo de recuperar 'toda a Palestina'

O movimento islamita palestino Hamas reafirmou nesta segunda-feira sua ambição de recuperar "toda a Palestina", do mar Mediterrâneo ao rio Jordão, o que causaria o desaparecimento do Estado de Israel.

O chefe de governo do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, afirmou no dia 1 de dezembro que seu movimento respeitaria os termos de um acordo de paz com Israel se ele fosse aprovado em um referendo; "inclusive se os resultados contradizerem as convicções políticas do Hamas".

Mas, nesta segunda-feira, véspera de seu 23º aniversário, o Hamas indicou em um comunicado: "Afirmamos que a Palestina, do mar até o rio, é integralmente terra dos palestinos, não cederemos nenhuma parte e não reconheceremos o chamado Estado de Israel".

O movimento acrescentou que quer fazer de Jerusalém a "capital do Estado da Palestina" e prometeu o "fracasso de todos os métodos de judaização" da cidade empreendidos por Israel.

Também no início de dezembro, Haniyeh citou um documento acordado com os principais movimentos palestinos e adotado em 2006, que diz: "Aceitamos um Estado palestino com completa soberania sobre os territórios ocupados em 1967 e com Jerusalém como capital, e uma solução para a questão dos refugiados".

Esse texto prevê um Estado palestino nos territórios ocupados, o que supõe um reconhecimento implícito de Israel, uma grande mudança de posição do Hamas.