EUA: jovem californiana é acusada de apoiar radicais somalis

WASHINGTON - Uma californiana de 24 anos foi acusada de apoiar os radicais islâmicos shebab, da Somália, que se declaram ligados à Al-Qaeda, informou nesta segunda-feira o Departamento de Justiça.

Nima Ali Yusuf foi detida no dia 12 de novembro, acusada de "conspirar para proporcionar apoio material a terroristas e conspirar para proporcionar apoio material aos shebab", indicou a promotora Laura Duffy em um comunicado.

A jovem, que vive em San Diego, também foi indiciada "por falsa declaração a uma agência do governo acerca do terrorismo internacional", acrescentou Duffy, sem fornecer mais detalhes.

As duas primeiras acusações que pesam contra Nima são passíveis, cada uma, de uma pena de 15 anos de prisão e multa de 250.000 dólares. A terceira acusação pode ser punida com até oito anos de prisão e multa de mesmo valor.

Nima Ali Yusuf foi presa sem a opção de libertação mediante pagamento de fiança. Sua audiência está marcada para quinta-feira.

Os shebab, considerados uma organização terrorista pelos Estados Unidos, controlam a maior parte do centro e sul da Somália.