Papa apoia criação de comissão bilateral entre Irã e Vaticano

O Papa Bento XVI mostrou-se favorável à criação de uma comissão bilateral entre Irã e o Vaticano, em uma carta enviada ao presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad divulgada nesta quinta-feira pela Santa Sé.

"Estou convencido de que a criação de uma comissão bilateral será particularmente bem-vinda para tratar de assuntos de interesse comum, incluindo o estatuto jurídico da Igreja Católica no país", escreveu o papa.

A comissão, uma forma de diálogo como a que já existe com Israel, deve servir para fomentar as relações entre os dois Estados teocráticos.

A carta do papa foi entregue pelo presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, o cardeal Jean Louis Tauran, ao presidente iraniano.

"Tenho a esperança de que as relações cordiais já felizmente existentes entre a Santa Sé e o Irã continuem progredindo, assim como as da Igreja local com as autoridades civis", sustenta o pontífice.

Bento XVI também reconheceu a importância do "diálogo entre religiões e culturas" diferentes tem para conquistar a paz, assim como o papel dos "fiéis" para alcançá-la.

"A paz, acima de tudo, é um dom de Deus", escreveu, mas é também "o resultado dos esforços das pessoas de boa vontade", acrescentou.

Os problemas que os católicos sofrem nesta região de maioria muçulmana foram abordados em outubro passado em um sínodo especial de bispos realizado no Vaticano.

Entre os grandes desafios enfrentados pelos católicos do Oriente Médio, aparecem "a discriminação, a violência e inclusive a proibição de confessar publicamente sua fé", denunciaram os religiosos durante a reunião.

O aiatolá xiita iraniano Seyed Mostafa Mohaghegh Ahmadabadi, que assistiu ao sínodo, garantiu aos bispos que os cristãos em seu país gozam de "todos os direitos jurídicos" e negou que não possam praticar livremente sua fé.

Os católicos no Irã representavam, em 2008, 0,03% da população, o que corresponde a 19 mil pessoas, segundo dados da Igrej