Presidente de Taiwan coloca em dúvida consenso com a China

Agência EFE

TAIPÉ - O presidente taiuanês em final de mandato, Chen Shui-bian, colocou hoje em dúvida a existência do 'consenso de 1992', proposto pelo presidente da China, Hu Jintao, como base para o início de negociações.

Em encontro com o enviado americano Raymond Burghardt, Chen disse que o termo foi utilizado pela primeira vez em 2000 pelo então presidente do Conselho de Assuntos Chineses, Su Chi, e que participantes-chave nas negociações entre China e Taiwan dessa época negam sua existência. O lider taiuanês:

"A China interpreta o 'consenso de 1992' não como o Partido Kuomintang (KMT), mas como a aceitação de que Taiwan é parte da China.

O opositor Partido Kuomintang, que ganhou as eleições parlamentares de dezembro de 2007 e as presidenciais de 22 de março, afirma que o consenso é em reconhecer a existência de uma China com duas interpretações.

O acordo foi alcançado em 1992 em Hong Kong, antes das históricas negociações entre representantes chineses e taiuaneses em Cingapura, e permitia que cada parte interpretasse a seu modo a definição da China, afirma o KMT.

O presidente eleito de Taiwan, Ma Ying-jeou, contradisse o atual líder e afirmou a existência do 'consenso de 1992', e reconheceu sua promessa de aceitar negociações sob essas premissas.