Cuba estuda flexibilizar viagens ao exterior, diz chanceler

JB Online

HAVANA - O governo de Cuba considera a possibilidade de flexibilizar os trâmites para viagens dos cubanos ao exterior, disse na quarta-feira o chanceler Felipe Pérez Roque. Nas últimas semanas, o presidente Raúl Castro começou a eliminar o que descreveu como um 'excesso de proibições', alimentando expectativas de facilitar as viagens ao exterior.

'Não quero me antecipar sobre esse tema, mas são assuntos que estão permanentemente sob nossa consideração', disse ao ser consultado por jornalistas sobre a flexibilização dos complexos trâmites necessários para viagens ao exterior.

'Mantemos firme nosso compromisso de ter cada vez mais fluida a relação entre os cubanos que residem no exterior e suas famílias em Cuba e de agilizar cada vez mais todos os processos e regulamentações', comentou depois da abertura, em Havana, de uma reunião com cubanos que vivem no exterior.

Depois de assumir o poder no dia 24 de fevereiro, no lugar do irmão Fidel, Raúl Castro liberou a venda no varejo de computadores e de outros eletrodomésticos, além de descentralizar a comercialização de insumos agrícolas.

Apesar de Raúl Castro não ter deixado claro a que tipo de 'proibições' se referia, muitos acreditam que as autoridades poderiam simplificar em breve os trâmites necessários para viajar ao exterior, que neste momento requerem uma carta convite e uma permissão de saída.

Aproximadamente 1,5 milhão de cubanos vivem no exterior, a maioria nos Estados Unidos.

Pérez Roque disse que em 2007 quase 193.000 cubanos residentes no exterior visitaram a ilha, número que foi um 'recorde histórico'.

O chanceler cubano criticou o governo do presidente norte-americano, George W. Bush, por limitar as visitas à ilha dos cubanos que vivem nos Estados Unidos a uma vez a cada três anos.