Ministro francês fixa novas metas para o combate à imigração ilegal

Agência EFE

PARIS - O ministro de Imigração, Integração e Identidade Nacional da França, Brice Hortefeux, fixou nesta segunda-feira o aumento das prisões de imigrantes ilegais como um de seus objetivos, que incluem levar à Justiça 125 mil pessoas por ano envolvidas em infrações do tipo.

Hortefeux se reuniu nesta segunda-feira com os responsáveis da Polícia, a Gendarmaria (Polícia militar) e alfândegas para dar 'instruções' na luta contra a imigração ilegal.

Lembrou que o objetivo de 25 mil 'afastamentos' de estrangeiros "ilegais' este ano deve ser cumprido, assim como as três ações fixadas para 'combater mais ativa e eficazmente' a imigração ilegal, indicou o Ministério em comunicado.

Em primeiro lugar, trata-se de aumentar 'o número de interpelações de estrangeiros em situação irregular'.

O ministro definiu um objetivo de 125 mil pessoas' estrangeiras levadas à Justiça por infrações na entrada e durante a estada em território francês, o que abrange tanto os próprios imigrantes ilegais quanto traficantes e qualquer outra pessoa envolvida na entrada e estada de irregulares na França.

A segunda iniciativa será o 'reforço da luta contra o trabalho ilegal de estrangeiros, em particular, com o estabelecimento de objetivos mensais em matéria de repressão do emprego' dessas pessoas. A luta 'mais eficaz contra as fraudes de identidade' é o terceiro ponto.

- Estas três ações contribuirão ao desmantelamento das redes que exploram a miséria dos imigrantes clandestinos - segundo a nota.

Simultaneamente, Hortefeux insistiu na necessidade de desenvolver "a ajuda ao retorno voluntário' de imigrantes ilegais a seus países de origem e fixou o objetivo de '2.500 beneficiados' para este ano, ou seja, um aumento de 25% com relação a 2006.

Em artigo publicado na sexta-feira, o ministro tinha afirmado que em matéria de fluxos migratórios, a luta contra a imigração ilegal "seguirá sendo uma prioridade absoluta'.

Hortefeux acompanhou nesta segunda-feira o primeiro-ministro, François Fillon, a um centro de retenção administrativa de imigrantes ilegais perto do aeroporto de Roissy.

- A Europa não é um Eldorado - afirmou Fillon, ao defender a firmeza contra a imigração ilegal, e denunciando os recentes dramas de imigrantes naufragados no Mediterrâneo. Na sexta-feira, os corpos de 18 deles encontrados por uma fragata francesa.

- Estas pessoas morrem 'em condições insuportáveis' no século XXI porque acreditam em 'coisas que não correspondem à realidade - afirmou.

Para Fillon, os que 'prometem papéis para todo o mundo' têm responsabilidade nestes dramas.

A fragata que recolheu os cadáveres de imigrantes africanos no Mediterrâneo chegou no último domingo ao porto de Tolano (sudeste francês).

Antes de serem enterrados na França, os corpos serão submetidos a autópsias e serão recolhidas amostras de DNA para identificação pelas famílias.