Israelenses estariam por trás de seqüestro de avião em 1976

Agência EFE

LONDRES - Os israelenses poderiam estar por trás do seqüestro de um Airbus da Air France em junho de 1976, que foi obrigado a aterrissar no aeroporto de Entebbe, na Uganda, durante o governo de Idi Amin Dada, segundo documentos confidenciais que foram liberados nesta quinta-feira no Reino Unido.

Os serviços secretos israelenses (Shin Bet) e a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) uniram suas forças para seqüestrar o avião e reescrever a política francesa no Oriente Médio, segundo um texto escrito por um diplomata britânico na embaixada do Reino Unido em Paris.

O documento, liberado pelos Arquivos Nacionais do Reino Unido, foi enviado por DH Colvin ao Ministério de Assuntos Exteriores do Reino Unido em 30 de junho de 1976, enquanto a comunidade internacional mostrava sua preocupação pelo desenlace do seqüestro. A teoria da participação israelense procedia de um contato de Colvin na Associação Parlamentar Euro-Árabe, informa a agência de notícias PA.

A operação foi desenhada "para torpedear o prestígio" da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) na França e "para impedir o que eles vêem como uma crescente aproximação entre a OLP e os americanos", continua a nota. "De acordo com sua informação, o seqüestro foi obra da FPLP, com a ajuda dos serviços secretos israelenses, o Shin Bet -, descreve o diplomata.