Bayrou apela a centristas para 'resistirem' às pressões da direita

Agência EFE

PARIS - O líder de centro francês François Bayrou incentivou hoje seus partidários a 'resistir às pressões' do partido governista União por um Movimento Popular (UMP), majoritário e conservador, para criar um bloco de deputados 'livres' e 'atentos'.

Bayrou, que foi terceiro colocado nas eleições que consagraram o conservador Nicolas Sarkozy como próximo presidente da França, fez o apelo na abertura de um Conselho Nacional de seu partido, a União pela Democracia Francesa (UDF).

Esse conselho em Paris deve votar a criação do Movimento Democrata e decidir sua estratégia para as eleições legislativas de junho.

- Se a questão é entre ceder e resistir, minha resposta é: temos o dever de resistir. Eu resisti ontem, resisto hoje e resistirei amanhã porque a França precisa de resistência, declarou.

Em alusão aos 22 dos 29 deputados da UDF que foram para a UMP e estavam ausentes da reunião, Bayrou não quis pronunciar 'nenhuma palavra de condenação ou de acusação'.

- Na vida, quando o que está em jogo é o essencial e se sofrem pressões, há duas opções: ceder ou resistir. Minha convicção profunda é que é mais fácil ceder, mas isso não tem futuro, disse.

Os quase 7 milhões de franceses que votaram em Bayrou no primeiro turno das eleições, em 22 de abril, 'não desapareceram' e, para ele, "obrigam' a seguir em frente por 'um caminho novo' traçado entre 'os dois campos' - a maioria conservadora e a oposição socialista.

- Vamos para frente ou voltamos para trás?, perguntou Bayrou para centenas de correligionários.

- Voltar atrás é aceitar que na vida política francesa há dois campos, a direita e a esquerda, e que é preciso juntar-se a um ou a outro, respondeu ele mesmo.

Ir adiante, por outro lado, é considerar que 'há um caminho novo entre esses dois campos para que a vida política francesa recupere seu vigor, autenticidade e legitimidade. Há momentos em que não se deve fazer o papel de um lado nem do outro para traçar a via do futuro do país', acrescentou.

Amparado por aplausos e gritos de 'Bayrou, Bayrou' ao chegar ao encontro, o presidente da UDF convidou os presentes a aplaudir os quatro deputados que se mantiveram fiéis ao partido e estavam na tribuna com ele: Gilles Artigues, Gérard Vignoble, Jean Lassalle e Anne-Marie Comparini.

- Eles escolheram simplesmente permanecer fiéis ao que tinham dito aos eleitores ao longo da campanha eleitoral, ressaltou o presidente da UDF.