Polícia detém 4 acusados de atentado em Londres

Agência EFE

LONDRES - A Polícia britânica deteve nesta quarta-feira quatro pessoas acusadas de ligação com os atentados suicidas cometidos em 7 de julho de 2005 em Londres, entre elas a viúva do suposto autor intelectual do ataque, Mohammed Sidique Khan, disse nesta quarta-feira a Scotland Yard.

Hasina Patel, 29 anos, foi detida com dois homens em várias operações feitas em imóveis de Leeds (norte), cidade na qual moravam três dos quatro muçulmanos britânicos que cometeram o atentado.

Um homem foi detido em Birmingham (centro), onde a Polícia fez uma operação em um alojamento estudantil da universidade da cidade.

No entanto, segundo os agentes, o preso não estudaria na instituição.

Patel era casada com Khan, considerado o líder dos atentados de 2005 contra a rede de transporte londrina, que deixaram 56 mortos (incluindo os quatro suicidas) e cerca de 700 feridos.

Apesar de os policiais terem se recusado a divulgar a identidade dos detidos, fontes ligadas à operação disseram que, além da mulher, também foi preso o irmão dela, Arshad Patel, de 30 anos.

Segundo informações, o terceiro detido em Leeds se chama Khalid Khaliq, 34 anos, e que o nome do preso em Birmingham é Imran Motala, 22 anos.

A Polícia se limitou a informar que fez operações em sete endereços - cinco em Leeds e dois em Birmingham - e está inspecionando dois veículos apreendidos nas ações.

- Não percebemos nenhuma ameaça procedente dos locais que estamos averiguando - disse o superintendente-chefe Barry South, da Polícia do condado de West Yorkshire (norte), tentando tranqüilizar a população.

Os quatro presos serão encaminhados para a prisão de segurança máxima de Paddington Green (centro de Londres) para serem submetidos a interrogatório. Eles são suspeitos de cometer, preparar e instigar os atos terroristas.

De acordo com a legislação antiterrorista britânica, a Polícia pode deter os suspeitos por, no máximo, 28 dias, antes de formular as acusações contra eles.

Participaram da operação os serviços secretos britânicos, a brigada antiterrorista da Scotland Yard e as forças policiais de West Yorkshire e West Midlands.

A Polícia, que investigava as possíveis redes de apoio e financiamento dos terroristas desde que o atentado foi cometido, disse hoje que as investigações continuam.

As operações de hoje foram a segunda onda de detenções realizada nos últimos meses relacionadas ao ataque. Em março, três homens foram presos e acusados de conspirar com os autores do 7 de julho para causar explosões.

Dois deles foram detidos no aeroporto de Manchester (norte) quando viajariam com destino ao Paquistão. O terceiro foi preso também em Leeds.

Os três suspeitos, os primeiros acusados formalmente de ligação com os ataques, compareceram, em 20 de abril, diante do tribunal penal londrino de Old Bailey. A Justiça determinou que eles ficariam presos preventivamente até 8 de junho, quando ocorre nova audiência sobre o processo.

Na manhã de 7 julho de 2005, os terroristas Mohammed Sidique Khan, 30 anos, Shehzad Tanweer, 22 anos, e o jamaicano Jermaine Lindsay, 19 anos, explodiram bombas em suas mochilas no metrô.

Hasib Hussain, 18 anos, detonou a quarta bomba em um ônibus que passava pela Tavistock Square, perto do Museu Britânico.