Grupo de Gaza faz exigências para soltar repórter da BBC

REUTERS

GAZA - Um grupo islâmico pouco conhecido reivindicou nesta quarta-feira, em fita de áudio, a responsabilidade pelo sequestro do correspondente da BBC em Gaza e fez exigências rejeitadas de imediato pelo governo palestino.

Como evidência de que está com o correspondente Alan Johnston, o grupo divulgou na Internet sua foto da carteira de identificação da BBC.

A mensagem parece ser a primeira evidência concreta de que Johnston, que desapareceu no dia 12 março, quando dirigia seu carro na Faixa de Gaza, foi sequestrado.

Johnston está em cativeiro por mais tempo do que qualquer outro jornalista estrangeiro sequestrado em Gaza. A maioria foi solta logo em seguida.

- Exigimos que a Grã-Bretanha solte nossos prisioneiros, principalmente o honorável Abu Abu Qatada al Filistini, disse a gravação de áudio divulgada na Internet por um grupo que diz se chamar 'Jaysh al Islam', ou Exército do Islã.

A autenticidade da fita não pôde ser confirmada de imediato.

- Estamos cientes da fita divulgada pelo Exército do Islã sobre nosso correspondente em Gaza, Alan Johnston, disse a BBC em comunicado.

- Não temos comentários sobre as exigências feitas ao governo britânico na fita -- continuamos preocupados com o bem estar de Alan e pedimos sua libertação imediata.

Abu Qatada, clérigo islâmico radical suspeito de ter ligação com a Al Qaeda, foi descrito pelo governo britânico como 'um terrorista internacional significativo'.

Ele e outra dúzia de homens árabes estão detidos, ou sob prisão domiciliar, na Grã-Bretanha como ameaça à segurança nacional, apesar de o país reconhecer que não tem evidências suficientes para colocá-los em julgamento.

A Comissão Especial de Apelos de Imigração, em Londres, determinou em fevereiro que Abu Qatada deveria ser deportado para a Jordânia, onde foi condenado à revelia duas vezes por envolvimento em ações terroristas, apesar da probabilidade de enfrentar um julgamento forjado.

A fita sobre Johnston foi divulgada em um site islâmico usado com frequência pela Al Qaeda e por outros grupos islâmicos. O áudio não contém informações sobre as condições do correspondente.

O Exército do Islã é um dos três grupos palestinos, incluindo o braço armado do Hamas, envolvidos na captura de um soldado de Israel, em junho do ano passado, em ação através da fronteira.

Mohammed al-Madhoun, assessor político do primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, do Hamas, disse que as exigências da fita são as mesmas que o grupo apresentou em particular para o governo palestino.

- As exigências estão além das fronteiras da área palestina e não acho que sejam factíveis. Mais uma vez exigimos que os captores de Johnston libertem-no imediatamente porque cada dia que passa ele continua em cativeiro e isso traz mais prejuízo à causa palestina e à imagem do nosso povo, disse Madhoun.