Grupo armado seqüestra quatro americanos no sul da Nigéria

Agência EFE

LAGOS - Um grupo armado capturou quatro trabalhadores de empresas petrolíferas estrangeiras, supostamente americanos, no último episódio de uma nova onda de ataques e seqüestros no sul da Nigéria, informaram nesta quarta-feira fontes oficiais.

Segundo um porta-voz das forças conjuntas de segurança, postadas para proteger as instalações petrolíferas na área, os trabalhadores foram seqüestrados em uma plataforma marítima de extração, operada pela multinacional americana Chevron, na jazida de Okam Olero.

O seqüestro aconteceu na última terça-feira, pouco antes da meia-noite, depois que os cerca de 40 homens armados com fuzis, que se deslocavam em seis botes motorizados, abordaram a plataforma, situada próxima ao litoral do estado de Delta.

Nenhum dos numerosos movimentos militantes que operam na região reivindicou o seqüestro, e o principal grupo autonomista do sul da Nigéria, o Movimento pela Emancipação do Delta do Níger (Mend), rejeitou qualquer responsabilidade pelo ataque.

O Mend assumiu na última terça-feira a autoria do ataque que destruiu gasodutos no estado vizinho de Bayelsa.

Em uma carta enviada por e-mail aos meios de comunicação, o grupo informou sobre a destruição dos gasodutos e de uma refinaria da companhia Agip, e afirmou que esse foi apenas o primeiro de uma série de ataques que planeja lançar contra as instalações das companhias petrolíferas estrangeiras que operam na Nigéria.

O movimento afirma que suas ações são em apoio às reivindicações das comunidades locais, para uma maior autonomia e uma melhor distribuição dos lucros derivados da exploração do petróleo.

A Nigéria é o maior produtor de petróleo da África, e o sexto dentro da Opep, que lhe atribuiu uma cota de extração de 2,6 milhões de barris por dia, mas o seqüestro de trabalhadores e os ataques contra as instalações petrolíferas reduziram esse total em 25%.