Equipes de busca continuam remoção de vítimas de queda de avião

Agência EFE

NAIRÓBI - As equipes de resgate continuam a recolher os corpos das 114 pessoas que morreram no vôo KQ507 da Kenya Airways, que caiu no sábado em Camarões, informou a companhia aérea.

- Até agora foram recuperados 81 corpos. O processo de identificação começará assim que os legistas autorizarem no necrotério - disse, em Nairóbi, o presidente da companhia, Titus Naikuni, que acaba de retornar de uma visita ao local do acidente.

Os restos recuperados até o momento não correspondem necessariamente a 81 pessoas, pois muitos estão mutilados.

Alguns corpos serão mais fáceis de identificar, como o caso do auxiliar de vôo da Allan Njenga Njoroge, que ainda estava com o uniforme e a placa com o nome quando foi encontrado, informou o jornal 'Daily Nation'.

O Boeing 737-800 caiu na madrugada de sábado, pouco depois de decolar em Douala, em Camarões, com destino a Nairóbi, no Quênia. Os destroços foram encontrados cerca de 40 horas depois do acidente em um manguezal coberto de árvores perto de Mbanga Pongo.

O local do acidente fica a 5,4 quilômetros da cabeceira da pista. Segundo o chefe de pilotos da Kenya Airways, James Ouma, isso indica que o avião pode ter caído apenas 30 segundos após a decolagem.

De acordo com Ouma, um avião desse tipo percorre cerca de 4,5 quilômetros em meio minuto quando está decolando.

O primeiro-ministro de Camarões, Ephraim Inoni, anunciou a criação de uma comissão para investigar o caso.

Já o presidente do Quênia, Mwai Kibaki, declarou luto nacional na próxima segunda-feira. As bandeiras ficarão a meio mastro em todos os edifícios nacionais e missões diplomáticas quenianas no exterior.

A Kenya Airways aprovou até agora o transporte de 59 parentes dos passageiros mortos para Douala. A empresa também será responsável pelas despesas de repatriação e enterros.

No avião, com seis meses de uso, viajavam 114 pessoas entre passageiros e tripulação, entre eles 35 de Camarões, 15 da Índia, 7 da África do Sul, 5 do Reino Unido e dois da Guiné Equatorial.