Vídeo de atirador assusta estudantes da universidade

Agência JB

BLACKSBURG - Estudantes manifestaram aversão e descrença diante das fotos e do vídeo raivoso enviado a um rede de televisão pelo homem que massacrou 32 pessoas na universidade Virginia Tech.

Meia dúzia de estudantes da universidade reuniram-se em silêncio ao redor de televisões no centro estudantil no final da quarta-feira vendo as imagens de Cho Seung-Hui posando com suas armas e o vídeo em que ele vocifera contra crianças ricas e contra a libertinagem.

O pacote recebido pela NBC News na quarta-feira tinha dados mostrando que Cho colocou o material no correio depois que matou as duas primeiras vítimas na manhã de segunda-feira, antes de matar mais 30 pessoas nas salas de aula.

- Isso é louco. Ele mata duas pessoas e depois vai ao correio, e depois está pronto para a segunda rodada? Isso é pavoroso, disse o estudante Nick Jeremiah, 34.

As imagens e o longo monólogo, cheio de paranóia e sentimentos de perseguição, mostram uma visão diferente de Cho, de 23 anos, que era descrito pelos professores e por outros estudantes como um rapaz quieto e reservado.

- Ele não pára -- isso deve ser mais do que falou em toda a vida, disse Jeremiah.

- Pensei, bem, 'ele sabe falar'.

Devin Cornwall, 19, que viu a fita em um dormitório com dois amigos, disse que o ódio do atirador contra crianças ricas não faz sentido.

- Para mim, isso não representa nenhum estudante da Tech que eu conheça. Eu sempre acho que somos um lugar de assalariados, disse Cornwall.

No vídeo e no documento de 1.800 palavras, Cho reclama dos ricos, mostrando-se como defensor dos fracos. Ele manifesta também admiração pelo massacre na escola Columbine, em 1999.

- Vocês vandalizaram o meu coração, violaram minha alma e torturaram minha consciência, disse Cho, falando diretamente para a câmera e olhando às vezes para a mensagem.

- Vocês achavam que estavam acabando com a vida de um menino patético. Agradeço a vocês por morrer como Jesus Cristo, para inspirar gerações de fracos e indefesos.

- As mensagens acrescentam mais frieza à descrição feita por colegas de classe e professores de Cho, de uma pessoa sozinha e atordoada. Cho foi acusado de perseguir mulheres e foi levado a um hospital psiquiátrico em 2005 devido a preocupações com tendências suicidas. Ele foi declarado 'doente mental' por uma corte de Virginia e 'perigo iminente para si mesmo e para outros', disse a ABC News.

O massacre reviveu o debate nos EUA sobre as leis de porte de arma. Autoridades da polícia e da universidade foram criticadas por terem demorado a alertar os estudantes sobre o perigo, depois que Cho matou as duas primeiras vítimas em um dormitório, pouco depois das 7h.

Segundo autoridades citadas pela CNN, a polícia suspeitava de outro homem nos primeiros assassinatos. O suspeito estava sendo interrogado fora do campus quando Cho começou o massacre nas classes.

Agora, os estudantes começam a olhar adiante e para a volta das aulas.

- Vai ser estranho voltar para a sala. Ainda nos sentimos desconfortáveis em salas grandes, ou quando passamos pelo jardim, disse Phil Padilla, 20, que estuda desenho industrial.