Serviço secreto palestino afirma que jornalista da BBC está vivo

REUTERS

GAZA - Um alto comando dos serviços secretos palestinos confirmou hoje à Efe que o jornalista britânico Alan Johnston, da 'BBC', está vivo.

- Alan Johnston está vivo, e os esforços para conseguir sua libertação continuam - , se limitou a dizer a fonte, ao confirmar as declarações feitas na tarde desta quinta-feira, pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, em Estocolmo.

Segundo o presidente palestino, os serviços de inteligência lhe confirmaram este ponto em um relatório entregue esta semana.

- Nossos serviços de inteligência me disseram que está com vida - afirmou em entrevista coletiva.

Abbas acrescentou que sabe qual é o grupo que mantém detido o jornalista britânico, seqüestrado em Gaza em 12 de março, mas se negou a revelar o nome.

As declarações feitas pelo alto comando dos serviços secretos e do presidente palestino desmentem, pela primeira vez, as informações acerca do assassinato de Johnston.

Em um e-mail enviado no domingo, de Gaza, um grupo desconhecido, que se identificou como 'Brigadas da Jihad e do Monoteísmo', assegurou que seus militantes haviam executado o jornalista.

O caso de Johnston, o jornalista estrangeiro há mais tempo em cativeiro em Gaza, mobilizou a sociedade palestina.

O líder do Fatah na Cisjordânia, Marwan Barghouti, preso em Israel desde 2002, pediu hoje ao grupo que o seqüestrou que o liberte imediatamente, 'por se tratar de um amigo dos palestinos'.

Por outro lado, a Associação de Jornalistas Estrangeiros em Israel, com o apoio da ANP, convocou uma manifestação de protesto para a próxima quarta-feira, na passagem fronteiriça de Erez, à qual se somarão, do lado palestino, os jornalistas locais e estrangeiros que vivem em Gaza.