Comitê para Democracia em Cuba quer que UE adote postura comum

Agência EFE

PRAGA - O Comitê Internacional para a Democracia em Cuba (CIDC), com sede em Praga, pretende promover o diálogo e uma postura comum entre os países da União Européia (UE) nas relações com o regime cubano, numa conferência internacional que será realizada na próxima semana, em Berlim.

Segundo disseram à Efe fontes do CIDC em Praga, entre os participantes estarão o ex-presidente tcheco Vaclav Havel e o ex-presidente polonês Lech Walesa.

A reunião de Berlim, nos dias 25 e 26, terá o lema 'Democracia em Cuba: em busca de iniciativas comuns'.

- O objetivo será criar uma plataforma para o diálogo e a busca de uma atitude comum da UE, América Latina e EUA, disse a fonte.

A reunião contará também com a presença do vice-presidente do Parlamento Europeu, Edward McMillan-Scott, e de vários membros da oposição democrática cubana, como Oswaldo Payá Sardiñas e Martha Beatriz Roque Cabello.

Segundo um comunicado do CIDC, Miriam Leiva, uma das 'Damas de Branco', movimento que reúne parentes de presos políticos cubanos, apóia a iniciativa.

- Esperamos que a conferência ajude a mobilizar no mundo todo o apoio à sociedade civil cubana e à luta pela libertação dos presos políticos, disse Leiva, de acordo com a nota.

O CIDC, criado por Havel em 2003, reúne personalidades da política internacional, como a americana Madeleine Albright e o uruguaio Luis Alberto Lacalle.