Achado o cadáver de jornalista assassinado com um tiro nas Filipinas

Agência EFE

MANILA - A Polícia filipina achou nesta quarta-feira o cadáver de um jornalista de uma emissora de rádio assassinado com um tiro na cabeça e abandonado em uma estrada, elevando a 51 o número de trabalhadores da imprensa mortos durante o Governo da presidente Gloria Macapagal Arroyo.

O corpo de Carmelo Palacios, de 41 anos, foi abandonado no acostamento de uma estrada à entrada de Santa Rosa por volta das 5h30 (18h20 desta terça-feira em Brasília) e no exame preliminar apresentava um tiro na mandíbula e ferimentos na cabeça, no pescoço e no restante do corpo.

Fontes policiais indicaram que 'ainda é cedo para tirar conclusões' sobre a causa da morte de Palacios, que trabalhava na emissora governamental 'Philippine Broadcasting Service (Radyo ng Bayan)', na província de Nueva Écija (norte).

A União Nacional de Jornalistas das Filipinas condenou o crime e lembrou que já são 51 os jornalistas assassinados desde que Macapagal Arroyo começou a governar, em janeiro de 2001, um número superior ao da ditadura de Ferdinand Marcos (1972-1986).