Forças russas atacam Ucrânia pelo terceiro dia; agência diz que primeira cidade foi capturada

Pelo menos 198 ucranianos, incluindo três crianças, foram mortos e 1.115 pessoas ficaram feridas até agora na invasão da Rússia

Foto: Reuters/Gleb Garanich
Credit...Foto: Reuters/Gleb Garanich

Forças russas atacaram cidades ucranianas, incluindo a capital Kiev, com artilharia e mísseis de cruzeiro neste sábado (26) pelo terceiro dia consecutivo, e a agência de notícias russa Interfax disse que tropas de Putin capturaram a cidade de Melitopol, no sudeste do país.

Autoridades ucranianas não estavam imediatamente disponíveis para comentar sobre o destino de Melitopol e o ministro das Forças Armadas da Grã-Bretanha, James Heappey, questionou o relatório, dizendo que a cidade de cerca de 150.000 pessoas ainda estava em mãos ucranianas.

"Todos os objetivos do primeiro dia da Rússia... e até mesmo Melitopol, que os russos alegam ter tomado, mas não podemos ver nada que comprove isso, ainda estão nas mãos dos ucranianos", disse ele à rádio BBC.

Fontes de inteligência ocidentais dizem que as forças russas encontraram resistência ucraniana muito mais forte do que esperavam e isso estava diminuindo significativamente seus avanços desde que a invasão começou na quinta-feira.

 

Macaque in the trees
Manifestantes exibem cartazes na Rússia; 'Salve a Ucrânia' (Foto: Foto: Epa)

 

Se o relatório da Interfax sobre Melitopol, que citou o Ministério da Defesa da Rússia, for confirmado, será o primeiro centro populacional significativo que os russos tomarão.

Pelo menos 198 ucranianos, incluindo três crianças, foram mortos e 1.115 pessoas ficaram feridas até agora na invasão da Rússia, segundo a Interfax citou o Ministério da Saúde da Ucrânia. Não ficou claro se os números incluíam apenas vítimas civis.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse que 35 pessoas, incluindo duas crianças, ficaram feridas durante os combates noturnos na cidade.

Klitschko disse que atualmente não há grande presença militar russa em Kiev, embora tenha acrescentado que grupos sabotadores estão ativos. O sistema de metrô agora está funcionando apenas como abrigo para os moradores da cidade e os trens pararam de funcionar, disse ele.

Havia sinais de pânico no centro da cidade de Kiev. Repórteres da Reuters viram soldados ucranianos com armas e um grupo de mulheres correndo pela rua. Perto dali, soldados ucranianos forçaram um homem em trajes civis a se deitar na calçada.

Mais cedo, as autoridades de Kiev disseram que um míssil atingiu um prédio residencial, e uma testemunha da Reuters disse que outro atingiu uma área perto do aeroporto. Não houve relatos imediatos sobre vítimas.

 

'DEFENDEREMOS NOSSO ESTADO'

O presidente Volodymyr Zelenskiy, falando em uma mensagem de vídeo do lado de fora de seu escritório em Kiev, foi desafiador.

"Não vamos baixar as armas, vamos defender o nosso estado", disse.

Zelenskiy sinalizou anteriormente uma prontidão para discutir um cessar-fogo e negociações de paz, assim como o Kremlin, mas os contatos diplomáticos provisórios até agora não produziram resultados.

A Ucrânia evacuou sua embaixada em Moscou para a Letônia, disse o Ministério das Relações Exteriores do país báltico neste sábado.

Dezenas de milhares de ucranianos estavam chegando às fronteiras ocidentais do país com a Polônia, Hungria, Eslováquia e Romênia. Em Medyka, no sul da Polônia, refugiados descreveram uma linha de 30 km na fronteira.

Um assessor do Ministério do Interior da Ucrânia, Anton Herashchenko, disse que pelo menos 40 locais de infraestrutura civil foram atingidos até agora. Moscou diz que está tomando cuidado para não atingir áreas civis.

O prefeito de Chernihiv, cerca de 150 quilômetros a nordeste de Kiev, disse aos cidadãos: "Precisamos nos preparar para o combate de rua. Aqueles de vocês que sabem e entendem do que estou falando, preparem os coquetéis molotov".

Os combates também estavam em andamento na manhã de sábado na cidade de Sumy, no nordeste do país, disse a administração municipal, pedindo aos moradores que fiquem em casa.

Ignorando semanas de avisos de líderes ocidentais, o presidente russo Vladimir Putin invadiu do norte, leste e sul, um ataque que ameaça derrubar a ordem pós-Guerra Fria da Europa.

Putin disse que teve que eliminar o que chamou de uma séria ameaça ao seu país de seu vizinho menor e citou a necessidade de "desnazificar" a liderança da Ucrânia, acusando-a de genocídio contra os que falam  russo no leste da Ucrânia.

Kiev e seus aliados ocidentais descartam as acusações como propaganda infundada.

Em uma reunião televisionada com o Conselho de Segurança da Rússia nessa sexta-feira, Putin apelou aos militares da Ucrânia para derrubar seus líderes "neonazistas".

"Tome o poder em suas próprias mãos", disse ele.

 

SANÇÕES

Os países ocidentais anunciaram uma série de sanções à Rússia, incluindo a lista negra de seus bancos e a proibição de exportações de tecnologia. Mas eles não conseguiram forçá-lo a sair do sistema SWIFT para pagamentos bancários internacionais.

Moscou responderá simetricamente à apreensão de dinheiro de cidadãos e empresas russos no exterior, confiscando os fundos de estrangeiros na Rússia, disse o vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, segundo a agência de notícias RIA no sábado.

A França fornecerá equipamentos militares defensivos à Ucrânia, disse seu porta-voz do Exército neste sábado. O governo tcheco disse que estava enviando armas e munições para a Ucrânia.

Nas Nações Unidas, nessa sexta-feira, a Rússia vetou um projeto de resolução do Conselho de Segurança deplorando sua invasão, enquanto a China se absteve, o que os países ocidentais consideraram como prova do isolamento da Rússia. Os Emirados Árabes Unidos e a Índia também se abstiveram, enquanto os restantes 11 membros votaram a favor.

A Casa Branca pediu ao Congresso US$ 6,4 bilhões em segurança e ajuda humanitária para a crise, disseram autoridades, e Biden instruiu o Departamento de Estado dos EUA a liberar US$ 350 milhões em ajuda militar. 

O Ministério da Defesa da Rússia disse que suas forças usaram mísseis de cruzeiro aéreos e de navios para realizar ataques noturnos a alvos militares na Ucrânia, disse a Interfax.

Ele disse que as tropas russas atingiram centenas de alvos de infraestrutura militar e destruíram várias aeronaves e dezenas de tanques e veículos blindados e de artilharia.

O comando da Força Aérea da Ucrânia disse anteriormente que um de seus caças derrubou um avião de transporte russo. A Reuters não pôde verificar a alegação de forma independente.

A Ucrânia disse que mais de 1.000 soldados russos foram mortos. A Rússia não divulgou números de vítimas. Zelenskiy disse na quinta-feira que 137 soldados e civis foram mortos com centenas de feridos.

Os ucranianos votaram esmagadoramente pela independência na queda da União Soviética e Kiev espera se juntar à Otan e à UE – aspirações que enfurecem Moscou.

Putin diz que a Ucrânia, uma nação democrática de 44 milhões de pessoas, é um estado ilegítimo esculpido na Rússia, uma visão que os ucranianos veem como destinada a apagar sua história de mais de mil anos.

Os Estados Unidos impuseram sanções a Putin, ao ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov, ao ministro da Defesa Sergei Shoigu e ao chefe do Estado Maior Valery Gerasimov. A União Europeia e a Grã-Bretanha congelaram anteriormente quaisquer bens que Putin e Lavrov detivessem em seu território. O Canadá tomou medidas semelhantes.

A invasão desencadeou uma enxurrada de mudanças de classificação de crédito nessa sexta-feira, com a S&P baixando a classificação da Rússia para o status de "lixo", a Moody's colocando-a em revisão para um rebaixamento para lixo e a S&P e a Fitch cortando a Ucrânia por preocupações com calote. (com agência Reuters)



Prédio de apartamentos residenciais danificado por um recente bombardeio em Kiev, na Ucrânia; em 26 de fevereiro de 2022
Manifestantes exibem cartazes na Rússia; 'Salve a Ucrânia'


Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais