Londres insta Paris a retirar 'ameaças totalmente irracionais' na disputa da pesca em 48 horas

O Reino Unido deu à França 48 horas para recuar na questão da pesca que ameaça entrar em uma espiral de disputa comercial mais ampla entre as duas maiores economias da Europa

Foto: AP Photo / Gareth Fuller
Credit...Foto: AP Photo / Gareth Fuller

As brigas pós-Brexit sobre áreas de pesca culminaram na última quarta-feira (27) na apreensão pela França da draga de pesca de vieiras Cornelis Gert Jan nas águas francesas perto de Le Havre. Paris ameaçou impor sanções, a partir dessa terça (2), que poderiam dificultar o comércio através do canal da Mancha.

As medidas podem incluir aumento dos controlos fronteiriços e sanitários das mercadorias provenientes do Reino Unido e proibição de navios britânicos entrarem em certos portos franceses.

"Os franceses fizeram ameaças totalmente irracionais, incluindo às Ilhas do Canal e à nossa indústria de pesca, e eles devem retirar essas ameaças ou então vamos usar os mecanismos do nosso acordo comercial com a União Europeia para tomar medidas", disse a chanceler britânica, Liz Truss, ao Sky News.

"Os franceses têm se comportado de maneira injusta. Não está dentro dos termos do acordo comercial. E se alguém se comporta injustamente em um acordo comercial, você tem o direito de tomar medidas contra eles e buscar algumas medidas compensatórias. É isso que faremos se os franceses não recuarem", Truss disse.

Perguntada sobre o prazo em que a França deve recuar, Truss afirmou: "Este problema precisa ser resolvido nas próximas 48 horas".

O Reino Unido e a França têm brigado por décadas sobre os ricos pesqueiros em torno de suas costas do norte, mas uma nova zanga irrompeu em setembro após Paris acusar Londres de não alocar licenças suficientes para os barcos franceses pescarem na zona de 6-12 milhas marítimas a partir das costas do Reino Unido.

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o premiê britânico, Boris Johnson, discutiram a disputa de pesca no domingo (31) à margem da cúpula do G20 em Roma, mas não conseguiram reduzir suas discórdias. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais