Talibã abre fogo contra manifestantes apoiadores da bandeira nacional, há mortos e feridos

Enquanto isso, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirma que a situação no Afeganistão está se estabilizando. O Talibã permite continuar a evacuação

Foto: AP Photo / Gulabuddin Amiri
Credit...Foto: AP Photo / Gulabuddin Amiri

O Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) abriu fogo, nesta quarta (18) contra manifestantes na província de Nangarhar que apoiavam a manutenção da bandeira nacional, segundo uma fonte da agência de notícias Sputnik. O tiroteio provocou mortos e feridos.

Vídeos nas redes sociais mostram pessoas correndo, tentando fugir de disparos do Talibã na província afegã de Nangarhar.

Pelo menos duas pessoas morreram e 12 ficaram feridas em resultado dos disparos contra os manifestantes, disse uma fonte da agência no Ministério da Saúde local.

[Talibã dispara contra manifestantes na cidade de Jalalabad e agride alguns jornalistas de vídeo.]

Enquanto isso, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirma que a situação no Afeganistão está se estabilizando. O Talibã permite continuar a evacuação.

Discursando perante o Parlamento, Johnson disse que o Reino Unido fará tudo para evitar uma crise humanitária no Afeganistão onde a tomada do país pelos islamistas está ocorrendo mais rápido do que se esperava.

O Reino Unido mobilizará mais 800 soldados para apoiar a evacuação a partir do Afeganistão, informou o primeiro-ministro britânico.

A retirada de funcionários britânicos e afegãos ligados a governos e organizações estrangeiras está sendo realizada através do único aeroporto em Cabul.

Os países ocidentais não podiam continuar a missão liderada pelos EUA no Afeganistão sem as capacidades dos Estados Unidos, sua força aérea e logística, afirmou Johnson.

O Talibã será avaliado com base em suas ações e não em suas palavras, disse o primeiro-ministro.

"Julgaremos este regime com base nas escolhas que fizer, e por suas ações e não por suas palavras, por sua atitude em relação ao terrorismo, ao crime e aos narcóticos, bem como pelo acesso humanitário, e pelos direitos das meninas a receberem educação", segundo Johnson.

Ontem (17), o movimento realizou a primeira coletiva de imprensa após ter tomado o poder na República Islâmica, em 15 de agosto. O Talibã revelou que quer se tornar parte da comunidade internacional e pretende estabelecer diálogo com personalidades oficiais do antigo governo afegão para garantir que se sintam seguros.

Os islamistas informaram que os civis afegãos devem entregar suas armas e munições aos membros autorizados do Talibã, adicionando que qualquer queixa de civis contra combatentes talibãs será investigada.(com agência Sputnik Brasil)