Caso Pegasus: Macron ordena investigações após relatos de vigilância de seu celular, diz premiê

Presidente francês deu ordem para realizar uma série de investigações após relatos de mídias sobre possível vigilância de seu celular, anunciou na quarta-feira (21) o premiê francês Jean Castex

Reuters / Ludovic Marin
Credit...Reuters / Ludovic Marin

O jornal francês Le Monde informou nessa terça (20) que os números telefônicos de Macron em 2019, do ex-primeiro-ministro Edouard Philippe e de mais 14 ministros do país também poderiam estar entre os vigiados pelos serviços secretos de Marrocos por meio do programa Pegasus.

"Se os fatos forem provados, então são graves. Isso eu confirmo", disse Castex em entrevista à emissora TF1.

"O presidente da República ordenou a realizar uma série de investigações", declarou o chefe do governo francês.

Ao mesmo tempo, ele acentuou que seria irresponsável falar sobre qualquer reação da parte de Paris até a situação ser clarificada e os fatos serem esclarecidos.

Anteriormente, foram publicados os resultados de uma investigação realizada por 17 mídias, entre elas algumas francesas, com a colaboração das ONGs Forbidden Stories e Anistia Internacional, de acordo com a qual o software da empresa israelense NOS Group, utilizado por diversos serviços secretos para vigiar criminosos e terroristas, foi usado também para espionar políticos, empresários, ativistas, jornalistas e opositores de todo o mundo.

Conforme escreveu o Financial Times citando suas fontes, o spyware Pegasus da NSO Group israelense foi por anos utilizado pelos serviços de inteligência e governos de vários países, a fim de coletar dados de smartphones de diversas pessoas.

O programa era capaz de obter acesso aos dados em nuvem, por exemplo, ao histórico completo de localização de uma pessoa, mensagens e fotos arquivadas. A empresa declarou que o programa tinha sido vendido exclusivamente a governos responsáveis com objetivo de evitar ataques terroristas e outros crimes.

O veículo de imprensa francês Mediapart apresentou uma queixa após a publicação de informações sobre a vigilância, informando que os celulares de dois jornalistas do portal tinham sido espionados pelos serviços secretos marroquinos através do spyware Pegasus. Na terça-feira (20), a Procuradoria de Paris abriu uma investigação após várias reclamações sobre alegada vigilância de ativistas e jornalistas.

A lista publicada pelos autores da investigação jornalística contém mais de 50.000 números de telefone que teriam sido identificados como sendo de pessoas de interesse por clientes da empresa NOS Group. Trata-se de cidadãos de mais de 50 países, entre os quais a Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Índia, México e outros.(com agência Sputnik Brasil)