As enchentes são terríveis, diz Merkel, enquanto o número de mortos na Europa sobe para 184

.

Foto: Christof Stache / Pool via Reuters
Credit...Foto: Christof Stache / Pool via Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, descreveu a enchente que devastou partes da Europa como "aterrorizante", neste domingo (18), depois que o número de mortos na região aumentou para 184 quando um distrito da Baviera foi atingido pelo clima extremo.

Merkel prometeu ajuda financeira rápida depois de visitar uma das áreas mais afetadas pelo recorde de chuvas e inundações que mataram pelo menos 157 pessoas só na Alemanha nos últimos dias, no pior desastre natural do país em quase seis décadas.

"É assustador", disse ela aos moradores da pequena cidade de Adenau, no estado da Renânia-Palatinado. "A língua alemã mal consegue descrever a devastação que ocorreu."

A devastação continuou neste domingo (cinco horas à frente do Brasil), quando um distrito da Baviera, no sul da Alemanha, foi atingido por enchentes que mataram pelo menos uma pessoa.

As estradas foram transformadas em rios, alguns veículos foram varridos e trechos de terra soterrados sob a lama espessa na Terra de Berchtesgadener. Centenas de equipes de resgate procuravam sobreviventes no distrito, que faz fronteira com a Áustria.

"Não estávamos preparados para isso", disse o administrador distrital de Berchtesgadener Land, Bernhard Kern, acrescentando que a situação se deteriorou "drasticamente" na noite de sábado, deixando pouco tempo para os serviços de emergência agirem.

Cerca de 110 pessoas foram mortas no distrito de Ahrweiler, mais atingido, ao sul de Colônia. Espera-se que mais corpos sejam encontrados lá conforme as águas da enchente baixem, disse a polícia.

As inundações europeias, que começaram na quarta-feira, atingiram principalmente os estados alemães de Renânia-Palatinado, Renânia do Norte-Vestfália, bem como partes da Bélgica. Comunidades inteiras foram isoladas, sem energia ou comunicação.

Na Renânia do Norte-Vestfália, pelo menos 46 pessoas morreram, enquanto o número de mortos na Bélgica foi de 27.

O governo alemão vai preparar mais de 300 milhões de euros (US $ 354 milhões) em socorro imediato e bilhões de euros para consertar casas, ruas e pontes desabadas, disse o ministro das Finanças, Olaf Scholz, ao jornal semanal Bild am Sonntag.

"Os danos são enormes e isso é claro: quem perdeu seus negócios, suas casas, não pode conter as perdas sozinho."

Também poderia haver um pagamento de curto prazo de 10.000 euros para empresas afetadas pelo impacto das enchentes, bem como pela pandemia de covid-19, disse o ministro da Economia, Peter Altmaier, ao jornal.

POWER OUT

Cientistas, que há muito afirmam que a mudança climática levará a chuvas mais fortes, disseram que ainda levaria várias semanas para determinar seu papel nessas chuvas implacáveis.

Na Bélgica, que terá um dia nacional de luto na próxima terça-feira (20), os níveis da água caíram neste domingo, e a operação de limpeza estava em andamento, de manhã. Os militares foram enviados para a cidade oriental de Pepinster, onde uma dúzia de edifícios desabou, para procurar outras vítimas.

Dezenas de milhares de pessoas estão sem eletricidade e as autoridades belgas disseram que o fornecimento de água potável também é uma grande preocupação.

Autoridades dos serviços de emergência na Holanda disseram que a situação se estabilizou um pouco na parte sul da província de Limburg, para onde dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas nos últimos dias, embora a parte norte ainda esteja em alerta máximo.

"No norte, eles estão monitorando intensamente os diques e se eles vão se manter", disse Jos Teeuwen, da autoridade regional de água, em uma entrevista coletiva neste domingo.

No sul de Limburg, as autoridades ainda estão preocupadas com a segurança da infraestrutura de tráfego, como estradas e pontes atingidas pela enchente.

Até agora, a Holanda relatou apenas danos materiais causados pelas enchentes e nenhum morto ou desaparecido.

Em Hallein, uma cidade austríaca perto de Salzburgo, fortes enchentes atingiram o centro da cidade na noite de sábado quando o rio Kothbach rompeu suas margens, mas nenhum ferimento foi relatado.

Muitas áreas da província de Salzburgo e províncias vizinhas continuam em alerta, com chuvas programadas para continuar neste domingo. A província de Tirol Ocidental informou que os níveis de água em algumas áreas estavam em níveis nunca vistos há mais de 30 anos.

Partes da Suíça permaneceram em alerta de enchentes, embora a ameaça representada por alguns dos corpos d'água em maior risco, como o Lago Lucerna e o rio Aare, em Berna, tenha diminuído.(com agência Reuters)