Israel marca o fim de uma era; sai Netanyahu, entra Bennett

.

Reuters / Ronen Zvulun
Credit...Reuters / Ronen Zvulun

O recorde de 12 anos de mandato de Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro de Israel terminou neste domingo com o parlamento aprovando um novo “governo de mudança” liderado pelo nacionalista Naftali Bennett, um cenário improvável que poucos israelenses poderiam ter imaginado.

Mas o tênue voto de confiança de 60-59 em uma coalizão de partidos de esquerda, centro, direita e árabes com pouco em comum, exceto o desejo de derrubar Netanyahu, apenas ressaltou sua provável fragilidade.

Dirigindo-se ao parlamento antes de Bennett ser empossado, um combativo Netanyahu disse: "Se estamos destinados a entrar na oposição, faremos isso de cabeça erguida até podermos derrubá-la".

Isso vai acontecer, acrescentou Netanyahu, de 71 anos, "mais cedo do que as pessoas pensam".

O novo governo, formado após uma eleição inconclusiva de 23 de março, em grande parte planeja evitar movimentos radicais em questões internacionais polêmicas, como política para os palestinos, e se concentrar em reformas domésticas.

Os palestinos não se comoveram com a mudança de administração, prevendo que Bennett, um ex-chefe da defesa que defende a anexação de partes da Cisjordânia ocupada, seguiria a mesma agenda de direita do líder do partido Likud, Netanyahu.

O líder mais antigo de Israel, Netanyahu foi primeiro-ministro desde 2009, após um primeiro mandato de 1996 a 1999.

Mas ele foi enfraquecido por seu fracasso repetido em garantir a vitória em quatro eleições nos últimos dois anos, incluindo uma votação em março, e por um julgamento de corrupção em andamento, no qual ele negou qualquer delito.

Segundo o acordo de coalizão, Bennett, um judeu ortodoxo de 49 anos e milionário da alta tecnologia, será substituído como primeiro-ministro pelo centrista Yair Lapid, 57, um ex-apresentador de televisão popular, em 2023.

Com seu partido de extrema direita Yamina ganhando apenas seis dos 120 assentos do parlamento na última eleição, a ascensão de Bennett ao primeiro ministro como chefe de um caleidoscópio de partidos foi de cair o queixo político.

Interrompido por gritos ininterruptos de "mentiroso" e "vergonha" dos partidários de Netanyahu no parlamento, Bennett agradeceu ao ex-primeiro-ministro por seu "serviço prolongado e repleto de realizações em nome do Estado de Israel".

Mas pouco amor se perdeu entre os dois homens: Bennett já serviu como chefe de gabinete de Netanyahu e teve um relacionamento difícil com ele como ministro da defesa. Na corrida para o novo governo, Bennett rejeitou o apelo de Netanyahu para se juntar a ele, em vez de Lapid.

No cenário internacional, com seu inglês refinado e sua voz estrondosa de barítono, Netanyahu havia se tornado a face de Israel.

Ele resistiu aos apelos internacionais por um Estado palestino que ele descreveu como um perigo para a segurança de Israel, enquanto forjava relações formais com os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão e condenava o programa nuclear do Irã.

BIDEN: 'PARABÉNS'

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, parabenizou Bennett, Lapid e o resto do novo gabinete e disse que espera trabalhar com Bennett para fortalecer o relacionamento "próximo e duradouro" entre seus dois países.

"Meu governo está totalmente comprometido em trabalhar com o novo governo israelense para promover a segurança, estabilidade e paz para israelenses, palestinos e pessoas em toda a região", disse Biden em um comunicado.

Tanto no exterior quanto em casa, Netanyahu tem sido uma figura polarizadora. Freqüentemente referido pelo apelido de Bibi, Netanyahu é amado por seus apoiadores e odiado pelos críticos.

Seus oponentes há muito tempo insultam o que consideram retórica divisiva de Netanyahu, táticas políticas desleais e sujeição dos interesses do Estado à sua própria sobrevivência política. Alguns o apelidaram de "Ministro do Crime" e o acusaram de lidar mal com a crise do coronavírus e suas consequências econômicas.

Dirigindo-se ao parlamento, Bennett ecoou o apelo de Netanyahu para que os Estados Unidos não retornem ao pacto nuclear de 2015 entre o Irã e as potências mundiais, um acordo revogado pelo antecessor de Biden, Donald Trump.

"A renovação do acordo nuclear com o Irã é um erro, um erro que daria novamente legitimidade a um dos regimes mais sombrios e violentos do mundo", disse Bennett. "Israel não permitirá que o Irã se equipe com armas nucleares."

Agradecendo a Biden por seus "anos de compromisso com a segurança de Israel" e por "apoiar Israel" durante os combates com militantes do Hamas em Gaza no mês passado, Bennett disse que seu governo buscará boas relações com os democratas e republicanos dos EUA.

“O governo fará um esforço para aprofundar e melhorar nossas relações com ambos os partidos - bipartidários”, disse Bennett.

Bennett atraiu raiva de dentro do campo da direita por quebrar uma promessa de campanha ao unir forças com Lapid - e uma alegação de Netanyahu de que ele fraudou o eleitorado. Bennett disse que outra eleição - um resultado provável se nenhum governo fosse formado - teria sido um desastre para Israel.

Tanto Bennett quanto Lapid disseram que querem reduzir as divisões políticas e unir os israelenses sob um governo que trabalhará duro por todos os seus cidadãos.

Seu gabinete, que se reuniu pela primeira vez na noite deste domingo (13), seis horas à frente do Brasil, enfrenta enormes desafios externos, de segurança e financeiros: Irã, um frágil cessar-fogo com militantes palestinos em Gaza, uma investigação de crimes de guerra pelo Tribunal Penal Internacional e recuperação econômica após a pandemia do coronavírus.

Bennett listou como prioridades as reformas na educação, saúde, redução da burocracia para o crescimento dos negócios e redução dos custos de habitação. Os líderes da coalizão disseram que aprovaria um orçamento de dois anos para ajudar a estabilizar as finanças do país e manter um "status quo" em questões de religião e estado. (com agência Reuters)

 Mais um "amigo" dos Bolsonaro que cai.