Ataques aéreos e foguetes arrastam o conflito Israel-Gaza para o sexto dia

Diplomatas americanos e árabes buscam acalmar a situação depois de uma noite de violência

Reuters / Mohammed Salem
Credit...Reuters / Mohammed Salem

Israel atingiu Gaza com ataques aéreos e militantes palestinos lançaram barragens de foguetes contra Israel neste sábado, sem nenhum sinal do fim da pior escalada em anos após seis dias de conflito e em meio a um crescente número de mortos.

Diplomatas americanos e árabes buscam acalmar a situação depois de uma noite de violência em que militantes dispararam cerca de 200 foguetes contra cidades de Israel, cujos aviões atingiram o que seriam alvos usados pelo Hamas, grupo islâmico que governa Gaza.

Pelo menos 136 pessoas foram mortas em Gaza desde o início das hostilidades na segunda-feira (10), incluindo 34 crianças e 21 mulheres, com 950 feridos, disseram médicos palestinos.

Israel registrou oito mortos, incluindo um soldado na fronteira de Gaza e seis civis, dois deles crianças.

Durante a noite, o bombardeio israelense matou pelo menos 12 palestinos em Gaza, disseram médicos, incluindo uma mulher e quatro de seus filhos que morreram quando sua casa em um campo de refugiados foi atingida. Três outros morreram, com outros feridos, disseram os médicos.

Em Israel, milhares de israelenses correram para se abrigar enquanto as sirenes soavam. Um foguete lançado de Gaza atingiu um prédio residencial na cidade de Beersheba, no sul de Israel, disse a polícia. A mídia disse que algumas pessoas ficaram feridas na cidade correndo para se esconder.

Em Gaza, Akram Farouq, 36, saiu correndo de sua casa com sua família depois que um vizinho lhe disse que havia recebido uma ligação de um oficial israelense avisando que seu prédio seria atingido.

“Não dormimos a noite toda por causa das explosões e agora estou na rua com minha esposa e filhos, que choram e tremem”, disse o homem de 36 anos.

Os militares israelenses disseram que sua aeronave atingiu locais de lançamento de foguetes e apartamentos que pertenciam a militantes do Hamas. Ele disse que um alvo havia disparado uma barragem de foguetes contra Jerusalém na segunda-feira.

O Hamas lançou o ataque com foguetes de segunda-feira após tensões sobre um processo judicial para despejar várias famílias palestinas em Jerusalém Oriental e em retaliação aos confrontos da polícia israelense com os palestinos perto da mesquita al-Aqsa da cidade, o terceiro local mais sagrado do Islã.

Os esforços diplomáticos regionais e internacionais ainda não mostraram quaisquer sinais de interrupção das hostilidades. O Egito, que tem liderado esforços regionais, enviou ambulâncias através de sua fronteira com Gaza para levar vítimas palestinas aos hospitais egípcios.

O enviado do presidente americano Joe Biden, Hady Amr, subsecretário adjunto para Israel e Assuntos Palestinos, voou para Israel na sexta-feira, antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU no domingo. Washington diz que pretende "reforçar a necessidade de trabalhar em prol de uma calma sustentável".

CORRIDA PARA PROTEÇÃO

As baixas palestinas agora se estendem além de Gaza. Palestinos, que a cada ano em 15 de maio marcam seu deslocamento na guerra de 1948 em torno da criação de Israel, relataram 11 mortos na Cisjordânia ocupada depois que manifestantes e forças israelenses entraram em confronto.

Em Israel, de pequenas cidades na fronteira com Gaza a Beersheba e a metropolitana Tel Aviv, as pessoas agora correm para se proteger quando ouvem sirenes, avisos de rádio e TV ou mensagens de alerta vermelho tocando em telefones celulares.

As hostilidades entre Israel e Gaza foram acompanhadas de violência nas comunidades mistas de judeus e árabes de Israel. Sinagogas foram atacadas, lojas de propriedade de árabes foram vandalizadas e ocorreram brigas de rua. O presidente de Israel, que desempenha um papel amplamente cerimonial, alertou sobre a guerra civil.

O Egito vinha pressionando por um cessar-fogo nessa sexta-feira (14) para que as negociações pudessem começar, disseram duas fontes de segurança egípcias. Cairo tem se apoiado no Hamas e pressionado outros, como os Estados Unidos, para garantir um acordo com Israel.

Os chanceleres egípcios e jordanianos discutiram os esforços para encerrar o confronto em Gaza e evitar "provocações" em Jerusalém, disse o Ministério das Relações Exteriores do Egito.

"As negociações tomaram um caminho real e sério na sexta-feira", disse uma autoridade palestina. "Os mediadores do Egito, Catar e das Nações Unidas estão intensificando seus contatos com todos os lados em uma tentativa de restaurar a calma, mas um acordo ainda não foi alcançado."

Os Emirados Árabes Unidos pediram um cessar-fogo e negociações na sexta-feira, oferecendo condolências a todas as vítimas. Em setembro, os Emirados Árabes Unidos e Bahrein se tornaram os primeiros estados árabes em um quarto de século a estabelecer laços formais com Israel.

Os militares israelenses disseram no sábado que cerca de 2.300 foguetes foram disparados de Gaza contra Israel desde segunda-feira, com cerca de 1.000 interceptados por defesas antimísseis e 380 caindo na Faixa de Gaza.

A agitação civil entre judeus e árabes em Israel desferiu um golpe nos esforços da oposição israelense para destituir o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu após uma série de eleições inconclusivas, aumentando a perspectiva de um quinto voto em pouco mais de dois anos.(com agência Reuters)