Número de mortos aumenta devido a ataques aéreos em Gaza e foguetes contra Israel

.

Reuters / Ibraheem Abu Mustafa
Credit...Reuters / Ibraheem Abu Mustafa

Israel realizou centenas de ataques aéreos em Gaza nesta quarta-feira (12) - seis horas à frente do Brasil -  e militantes palestinos dispararam várias barragens de foguetes em Tel Aviv e na cidade de Beersheba, no sul, nas hostilidades mais intensas da região em anos.

Pelo menos 49 pessoas foram mortas em Gaza desde a escalada da violência na segunda-feira (10), de acordo com o ministério da saúde local. Seis pessoas foram mortas em Israel, disseram autoridades médicas.

Uma fonte palestina disse que os esforços de trégua do Egito, Catar e das Nações Unidas continuam, mas sem progresso até agora. O enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, disse que as Nações Unidas estão trabalhando com todos os lados para restaurar a calma.

Em Gaza, um edifício residencial de vários andares desabou depois que Israel avisou seus ocupantes com antecedência para evacuarem, e outro foi fortemente danificado nos ataques aéreos.

[Uma torre residencial de 13 andares em Gaza foi atingida por um ataque aéreo israelense e logo depois desabou, disseram testemunhas]

Israel disse que seus aviões de guerra alvejaram e mataram vários líderes de inteligência do grupo islâmico Hamas. Outros ataques atingiram o que os militares disseram ser locais de lançamento de foguetes, escritórios do Hamas e casas de líderes do Hamas.

A ofensiva mais pesada entre Israel e o Hamas desde a guerra de 2014 no enclave governado pelo Hamas aumentou a preocupação internacional de que a situação poderia sair de controle.

"Israel enlouqueceu", disse um homem em uma rua de Gaza, onde as pessoas saíram correndo de suas casas enquanto as explosões abalavam edifícios.

Dezesseis pessoas foram mortas em ataques aéreos israelenses em Gaza nesta quarta-feira, disse o Ministério da Saúde de Gaza. Testemunhas e autoridades de saúde em Gaza disseram que um ataque aéreo israelense matou três pessoas, incluindo uma mulher, em um carro.

Muitos israelenses também passaram uma noite sem dormir, com sirenes soando em Tel Aviv, anunciando várias ondas de ataques de foguetes no coração de Israel.

"As crianças escaparam do coronavírus e agora de um novo trauma", disse uma mulher israelense na cidade costeira de Ashkelon em imagens no Canal 11 de televisão.

Os israelenses correram para abrigos ou espalharam-se nas calçadas em comunidades a mais de 70 km acima da costa de Gaza enquanto mísseis interceptores disparavam para o céu.

"Todo Israel está sob ataque. É uma situação muito assustadora", disse Margo Aronovic, uma estudante de 26 anos, em Tel Aviv.

Um israelense foi morto por um míssil antitanque disparado de Gaza contra um veículo perto da fronteira, disse o serviço nacional de ambulâncias de Israel. O Hamas assumiu a responsabilidade. Duas pessoas foram mortas por um foguete que atingiu seu carro em Lod, perto de Tel Aviv.

Lod e outras cidades mistas de árabes-judeus foram tomadas por manifestações sobre a violência de Gaza e as tensões em Jerusalém.

O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, disse que as forças israelenses atacaram "muitas centenas de alvos" e mataram militantes seniores em Gaza e que "todos os meios e opções" permanecem sobre a mesa.

"Os militares israelenses continuarão atacando e proporcionarão um silêncio total e duradouro", disse Gantz a repórteres. "Só quando atingirmos essa meta, poderemos falar sobre acalmar as coisas. No momento, não há data para o fim."

NOVO DESAFIO

O braço armado do Hamas disse que disparou 210 foguetes contra Beersheba e Tel Aviv durante a noite em resposta aos ataques às torres na Cidade de Gaza. Os militares de Israel dizem que cerca de um terço dos foguetes ficaram aquém, caindo dentro de Gaza.

Para Israel, o direcionamento de Tel Aviv, sua capital comercial, representou um novo desafio no confronto com o Hamas, considerado uma organização terrorista por Israel e pelos Estados Unidos.

A violência ocorreu após semanas de tensão durante o mês de jejum muçulmano do Ramadã, com confrontos entre a polícia israelense e manifestantes palestinos perto da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental.

Isso se intensificou antes de uma audiência - agora adiada - que poderia levar ao despejo de famílias palestinas das casas de Jerusalém Oriental reivindicadas por colonos judeus.

O conflito levou ao congelamento das negociações dos oponentes do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre a formação de uma coalizão governamental para destituí-lo após a eleição inconclusiva de Israel em 23 de março.

A violência também aumentou na Cisjordânia ocupada. Fontes médicas disseram que um palestino de 16 anos foi morto em confrontos com as forças israelenses na quarta-feira.

"Se eles (as forças israelenses) quiserem aumentar, a resistência está pronta, se eles quiserem parar, a resistência está pronta", disse o líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

O ministério da saúde de Gaza disse que 14 das pessoas mortas no enclave eram crianças. Os militares israelenses disseram que estão examinando esses relatórios e que a prevenção de vítimas civis é uma prioridade.

A Casa Branca disse na terça-feira que Israel tem o direito legítimo de se defender de ataques de foguetes, mas pressionou Israel sobre o tratamento dos palestinos, dizendo que Jerusalém deve ser um lugar de coexistência.

Israel disse que despachou infantaria e blindados para reforçar os tanques já reunidos na fronteira, evocando memórias da última incursão terrestre israelense em Gaza para impedir ataques de foguetes em 2014.

Testemunhas disseram que aeronaves israelenses destruíram o quartel-general da polícia de Gaza, comandado pelo Hamas na cidade.(com agência Reuters)