Gandhi avisa que onda 'explosiva' covid ameaça Índia e o mundo

O principal líder da oposição da Índia, Rahul Gandhi, alertou nesta sexta-feira (7) que, a menos que a segunda onda mortal covid-19 que varre o país seja controlada, ela dizimará a Índia e também ameaça o resto do mundo

Foto: PTI
Credit...Foto: PTI

Em uma carta, Gandhi implorou ao primeiro-ministro Narendra Modi para se preparar para outro bloqueio nacional, acelerar um programa de vacinação em todo o país e rastrear cientificamente o vírus e suas mutações.

Gandhi disse que a segunda nação mais populosa do mundo tem a responsabilidade em "um mundo globalizado e interconectado" de impedir o crescimento "explosivo" do covid-19 dentro de suas fronteiras.

"A Índia abriga um em cada seis seres humanos no planeta. A pandemia demonstrou que nosso tamanho, diversidade genética e complexidade tornam a Índia um terreno fértil para o vírus se transformar rapidamente, transformando-se em uma forma mais contagiosa e perigosa, "escreveu Gandhi.

“Permitir a disseminação incontrolável do vírus em nosso país será devastador não apenas para nosso povo, mas também para o resto do mundo”.

A variante B.1.617 do coronavírus na Índia, altamente infecciosa, já se espalhou para outros países, como a Grã-Bretanha, forçando as nações a cortar ou restringir os movimentos do país.

Na semana passada, a Índia relatou 1,5 milhão de novas infecções e registrou o número de mortes diárias, pois seus hospitais ficaram sem leitos e oxigênio médico. Desde o início da pandemia, foram registrados 21,49 milhões de casos e 234.083 mortes. Atualmente, possui 3,6 milhões de casos ativos.

Modi foi amplamente criticado por não ter agido antes de suprimir a segunda onda, depois que festivais religiosos e comícios políticos atraíram dezenas de milhares de pessoas nas últimas semanas e se tornaram eventos "superpropagadores".

Seu governo também foi criticado por suspender as restrições sociais cedo demais após a primeira onda e por atrasos no programa de vacinação do país, que, segundo especialistas médicos, é a única esperança da Índia de controlar a segunda onda de covid-19.

Embora a Índia seja o maior fabricante mundial de vacinas, está lutando para produzir e distribuir doses suficientes para conter a onda de covid-19.

Modi enfatizou que os estados indianos devem manter as taxas de vacinação. Embora o país tenha administrado pelo menos 157 milhões de doses de vacina, sua taxa de inoculação caiu drasticamente nos últimos dias.

"Depois de atingir uma taxa de cerca de 4 milhões por dia, agora estamos reduzidos a 2,5 milhões por dia devido à escassez de vacinas", diz Amartya Lahiri, professor de economia da Universidade de British Columbia, citado ao jornal Mint.

"A meta de 5 milhões por dia é o limite inferior do que devemos almejar, já que mesmo nesse ritmo, levará um ano para que todos recebamos duas doses. A situação, infelizmente, é muito sombria."

REGISTRAR INFECÇÕES

A Índia relatou outro aumento diário recorde de casos de coronavírus, 414.188, nesta sexta-feira, elevando o total de novos casos na semana para 1,57 milhão. Mortes de covid-19 aumentaram em 3.915 para 234.083.

Especialistas médicos dizem que a extensão real do covid-19 na Índia é de cinco a dez vezes a contagem oficial.

O sistema de saúde da Índia está desmoronando sob o peso dos pacientes, com hospitais ficando sem leitos e oxigênio médico. Necrotérios e crematórios não conseguem lidar com o número de mortos e piras funerárias improvisadas queimadas em parques e estacionamentos.

O especialista americano Chris Murray, da Universidade de Washington, disse que a magnitude das infecções na Índia em um curto período de tempo sugere que uma "variante de escape" pode estar superando qualquer imunidade anterior contra infecções naturais.

As infecções agora estão se espalhando de cidades superlotadas para vilas rurais remotas que abrigam quase 70% da população de 1,3 bilhão.

Embora o norte e o oeste da Índia sofram o impacto da doença, o sul da Índia agora parece estar se transformando em um novo epicentro. A participação dos cinco estados do sul no aumento diário de infecções no país aumentou de 28% para 33% nos primeiros sete dias de maio, mostram os dados.

Na cidade de Chennai, no sul, apenas um em cada cem leitos com oxigênio e dois em cem leitos em unidades de terapia intensiva (UTI) estavam vagos nessa quinta-feira, ante uma taxa de vacância de mais de 20% a cada duas semanas atrás, mostraram dados do governo.

Na capital tecnológica da Índia, Bengaluru, também no sul, apenas 23 dos 590 leitos nas UTIs estavam vagos, e apenas 1 em cada 50 leitos com ventilador estava vago, uma situação que as autoridades dizem que aponta para uma crise iminente.

A taxa de positividade do teste - a porcentagem de pessoas testadas que apresentam a doença - na cidade de 12,5 milhões triplicou para quase 39% na quarta-feira, de cerca de 13% há duas semanas, mostraram os dados.

Bengaluru tem 325.000 casos covid-19 ativos, com demanda por leitos de UTI e unidades de alta dependência (HDU) em mais de 20 vezes, disse HM Prasanna, presidente da Associação de Hospitais Privados e Casas de Repouso no estado de Karnataka, que inclui Bengaluru.

"Todo paciente que chega ao hospital precisa de uma UTI ou leito de HDU ... é por isso que os pacientes estão correndo de um hospital para outro em busca de um leito de UTI", disse ele.

"Também há falta de oxigênio medicinal ... A maioria dos pequenos hospitais que agora não conseguem obter oxigênio diariamente se recusa a admitir pacientes com covid." (com agência Reuters)