Ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez é presa após ser acusada de golpe de Estado

Anteriormente, um tribunal boliviano emitiu mandados de prisão para Jeanine Añez, a ex-presidente interina que tomou o poder em um golpe de Estado no final de 2019

AP Photo / Juan Karita
Credit...AP Photo / Juan Karita

A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, foi presa neste sábado (13). Áñez é acusada de terrorismo, conspiração e sedição devido aos eventos que sucederam à renúncia do ex-presidente boliviano Evo Morales, ainda em novembro de 2019. A informação foi confirmada pelo Ministro do Interior, Eduardo del Castillo.

[Informo ao povo boliviano que a senhora Jeanine Áñez já foi deitda e atualmente está nas mãos da polícia]

O local e a hora exata da prisão não foram divulgados e a promotoria não anunciou publicamente o mandado. Os ex-ministros que apoiaram seu governo provisório de um ano também foram detidos pelas autoridades, reporta a agência AFP.

Áñez, por sua vez, também utilizou o Twitter para "denunciar" a "perseguição política" que está sofrendo.

[Denuncio à Bolívia e ao mundo que, em um ato de abuso e perseguição política, o governo do MAS ordenou que eu fosse prensa. Acusam-me de ter participado de um golpe que nunca aconteceu. Minhas orações pela Bolívia e por todos os bolivianos.]

Ascensão e queda de Añez

Evo Morales deixou o poder após acusações de fraude eleitoral contra sua reeleição, em primeiro turno, para um terceiro mandato, em 2019. À época o alto escalão das Forças Armadas exigiu a saída do ex-presidente do poder, abrindo caminho para o golpe que levou Áñez à Presidência.

Añez deixou o cargo no início de novembro, quando Luis Arce, do Movimento pelo Socialismo (MAS), assumiu o cargo, tendo vencido uma eleição esmagadora em 18 de outubro. A votação foi adiada várias vezes, gerando protestos e alimentando temores de uma quinada para ainda mais longe da democracia.

A denúncia contra Añez partiu de um bloco de deputados e ex-deputados do MAS. A Justiça boliviana responsabiliza parte dos acusados pela morte de mais de 30 pessoas durante a repressão aos protestos contra a saída de Evo do poder. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais