Boeing recomenda que as companhias aéreas suspendam o uso de 777s após o incidente da United

.

Foto: Hayden Smith/Reuters
Credit...Foto: Hayden Smith/Reuters

A Boeing Co pediu às companhias aéreas que suspendam o uso de jatos 777 com o mesmo tipo de motor que lançou destroços sobre Denver no fim de semana, depois que os reguladores dos EUA anunciaram inspeções extras e o Japão suspendeu seu uso enquanto considerava outras medidas.

Os movimentos envolvendo os motores Pratt & Whitney PW4000 vieram depois que o motor direito de um 777 da United Airlines falhou no sábado, espalhando seu revestimento externo de proteção sobre uma área residencial.

A United disse no dia seguinte que removeria voluntária e temporariamente seus 24 aviões ativos, horas antes do anúncio da Boeing.

A Boeing disse que 69 dos aviões 777 com motores PW4000 estavam em serviço e 59 estavam armazenados, em um momento em que as companhias aéreas pararam devido a uma queda na demanda associada à pandemia covid-19.

O fabricante recomendou que as companhias aéreas suspendessem a operação até que os reguladores dos EUA identifiquem o protocolo de inspeção apropriado.

Não chega a ser um aterramento global obrigatório, mas é outra dor de cabeça para o fabricante do avião após a crise do 737 MAX, e vem após as críticas da supervisão da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) em relação ao 737 MAX.

Os 777-200s e 777-300s afetados são mais antigos e menos econômicos do que os modelos mais novos, e atualmente estão sendo operados por apenas cinco companhias aéreas - United, Japan Airlines Co Ltd (JAL), ANA Holdings Inc, Asiana Airlines Inc e Korean Air Lines Co Ltd. A maioria deles os está eliminando de suas frotas.

O problema diz respeito à Pratt & Whitney, uma das três fabricantes de motores originalmente envolvidos no 777, cujas máquinas acionam menos de 10% da frota entregue de mais de 1.600 aviões.

O National Transportation Safety Board (NTSB) disse que seu exame inicial do avião de 26 anos indicou que a maior parte dos danos estava confinada ao motor certo, com apenas pequenos danos ao avião.

Ele disse que a entrada e a carcaça se separaram do motor e duas pás do ventilador foram quebradas, enquanto as outras pás exibiram danos.

A Pratt & Whitney, de propriedade da Raytheon Technologies Corp, disse que está coordenando com os operadores e reguladores para apoiar um intervalo de inspeção revisado para os motores.

FADIGA DO METAL
O ministério dos transportes do Japão ordenou que a JAL e a ANA Holdings suspendessem seu uso enquanto considerava se deveriam tomar medidas adicionais, agindo perante a FAA.

Um funcionário do ministério dos transportes da Coréia do Sul disse que estava aguardando uma ação formal da FAA antes de dar uma diretriz às companhias aéreas. A agência dos EUA disse que em breve emitirá uma diretriz de aeronavegabilidade de emergência.

“Com base nas informações iniciais, concluímos que o intervalo de inspeção deve ser aumentado para as pás ocas da ventoinha, exclusivas deste modelo de motor, usado exclusivamente em aviões Boeing 777”, disse a FAA.

O ministério dos transportes do Japão disse que em 4 de dezembro de 2020, um voo da JAL do aeroporto de Naha para Tóquio voltou para Naha devido a um defeito no motor esquerdo.

Seu Conselho de Segurança de Transporte disse em 28 de dezembro que havia encontrado duas das pás do ventilador do motor esquerdo danificadas, uma delas causada por uma rachadura devido à fadiga do metal. A investigação está em andamento.

O Japão disse que a ANA operava 19 do tipo e a JAL, 13, embora as companhias aéreas tenham afirmado que seu uso foi reduzido durante a pandemia. A JAL disse que sua frota deveria ser aposentada em março de 2022.

A Korean Air - que tem 16 aviões, 10 deles estacionados - disse que seguirá as diretivas das autoridades competentes sobre quaisquer medidas.

O Conselho de Segurança holandês disse nesta segunda-feira (22) que está investigando o que fez um Boeing 747-400 perder peças de um tipo diferente de motor PW4000 logo após decolar do aeroporto de Maastricht no sábado.

A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia, entretanto, disse que estava solicitando informações sobre a causa para determinar que medidas são necessárias.

Em fevereiro de 2018, um 777 da mesma idade operado pela United sofreu uma falha de motor quando uma capota caiu cerca de 30 minutos antes de o avião pousar com segurança. O NTSB determinou que o incidente foi o resultado de uma fratura completa da pá do ventilador. (com agência Reuters)