Presidente mexicano contrai covid-19 após pior semana de pandemia

Vários assessores próximos contraíram o vírus nos últimos meses

Reuters/Henry Romero
Credit...Reuters/Henry Romero

O presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador, disse nesse domingo que tinha testado positivo para covid-19 em meio à semana mais letal do país na pandemia de coronavírus, que levou o sistema de saúde da capital mexicana aos seus limites.

O presidente de 67 anos, que fumava muito até sofrer um ataque cardíaco em 2013, disse em um tuíte que seus sintomas eram leves e que estava recebendo tratamento.

“Como sempre, estou otimista”, disse Lopez Obrador, que tem resistido a usar máscara facial em público desde que o vírus chegou ao México, há mais de 10 meses.

O presidente, que está de volta à Cidade do México após uma visita de três dias a partes do norte e centro do México, disse que continuará trabalhando e ainda planeja participar de uma ligação com o presidente russo, Vladimir Putin, na manhã desta segunda-feira.

Mas o veterano esquerdista vai se afastar de sua agenda pública regular, que tem dominado a vida política do país desde que ele assumiu o cargo em dezembro de 2018.

Os críticos protestaram incessantemente contra sua gestão da crise de saúde, mas apesar do número crescente de quase 150.000 mortos, sua popularidade aumentou durante a pandemia, de acordo com uma pesquisa de rastreamento diária da empresa Consulta Mitofsky.

O presidente tem mantido uma agenda ocupada, reunindo-se com seu gabinete de segurança às 6h todas as manhãs e realizando coletivas de imprensa diárias de duas horas ou mais a partir das 7h. Nos fins de semana, ele costuma viajar pelo país, assim como fazia quando estava na oposição.

Vários assessores próximos contraíram o vírus nos últimos meses, mas ele sempre insistiu que está com boa saúde e que tem cuidado de si mesmo desde o ataque cardíaco de 2013, após o qual parou de fumar.

“Felizmente, o presidente está estável no momento, os sintomas são leves”, disse Jose Luis Alomia, um alto funcionário mexicano da saúde, em uma entrevista coletiva diária logo após Lopez Obrador anunciar que tinha o vírus.

Especialistas estavam atendendo o presidente, disse Alomia.

O ministério da saúde disse que as autoridades estavam analisando com quem o presidente havia entrado em contato nos últimos dias e que a maioria deles se isolaria. A ministra da Economia, Tatiana Clouthier, esta isolada, disse uma porta-voz.

Lopez Obrador teve um início incerto com a pandemia, que levou ao quarto maior número de mortes em todo o mundo no México. Inicialmente, o presidente pediu às pessoas que se abraçassem e continuassem saindo. Mais tarde, ele disse a elas para ficarem em casa.

SEM BLOQUEIO
Durante a emergência, Lopez Obrador evitou impor restrições severas ao público. Em outubro, ele chegou a criticar os países europeus por adotarem duras medidas de bloqueio, sugerindo que cheiravam a autoritarismo.

Muitos mexicanos vivem precariamente e o governo reluta em restringir a atividade comercial para não privar as pessoas de seus meios de subsistência e incentivar o crime.

A estratégia de Lopez Obrador tem se concentrado em aumentar a capacidade hospitalar em testes e rastreamento de contatos. Em vez de bloqueios, o México usou um sistema hierárquico de restrições de estado para estado para limitar o impacto na economia.

No entanto, os hospitais da Cidade do México estão quase lotados por causa do aumento de casos, e quase 9.000 novas fatalidades foram registradas na semana passada, facilmente a pior contagem de sete dias.

Há meses os críticos afirmam que o presidente corre o risco de contrair o vírus devido a sua agenda.

Seus dois antecessores como presidente, Enrique Pena Nieto e Felipe Calderon, ambos os quais Lopez Obrador denunciou como parte de um sistema político corrupto, rapidamente lhe desejaram boa sorte.

“Sinceramente, desejo a rápida recuperação do presidente”, disse Calderón no Twitter.

Lopez Obrador disse no Twitter que sua ministra do Interior, Olga Sanchez, daria sua entrevista coletiva matinal em sua ausência.

Sua ausência pode minar algum vigor do lançamento do programa de vacinas do governo, que atualmente depende exclusivamente do produto desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Pfizer.

Lopez Obrador deve discutir a possível aquisição da vacina russa Sputnik V com Putin na segunda-feira, enquanto o México busca dar a si mesmo mais opções na luta contra o vírus.(com agência Reuters)