Jornal do Brasil

Internacional

Temendo intervenção, Maduro evita termo 'crise humanitária'

Jornal do Brasil

O governo de Nicolas Maduro e seus aliados em Moscou e Pequim vem fazendo forte pressão nos bastidores para impedir que a crise na Venezuela seja declarada como "humanitária" e recusando alimentos e remédios para não parecer que o Estado está em colapso. O temor é de que a ajuda externa seja utilizada como um pretexto para justificar uma intervenção externa.

Fontes de alto escalão da ONU confirmaram ao jornal O Estado de S. Paulo que enviados de Caracas têm informado às entidades, secretamente, sobre a necessidade de comida e remédio. O problema é que, se aceitarem a ajuda internacional, eles temem a abertura de uma brecha para que o país seja alvo de um golpe.

Nos últimos dias, o tema reapareceu. O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, admitiu a possibilidade na semana passada, durante visita à Colômbia. Nos EUA, o New York Times revelou que Donald Trump chegou a tratar do assunto. Por isso, nos bastidores, os aliados do chavismo já avisaram que rejeitam a ideia de crise "humanitária".

Uma das missões enviadas por Maduro esteve em Genebra, onde o chanceler Jorge Arreaza se reuniu com os diretores das principais agências da ONU. Publicamente, ele negou a existência de um problema humanitário ou de refugiados.

"Eles precisam de ajuda, mas não podem chamar a crise de humanitária", afirmou uma fonte da ONU, que pediu para não ser identificada. Diplomatas consultados pelo jornal dizem que, após a Guerra Fria, a ideia de intervenções humanitárias ganhou força na ONU. Nos anos 90, o "direito à intervenção humanitária" foi levantado pelo Reino Unido no debate sobre o Iraque. A Otan usou o mesmo argumento em Kosovo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 



Recomendadas para você