Com lateral machucado, Corinthians segue rotina de desfalques na zaga

Na semana em que pretendia recolocar o goleiro Júlio César e o lateral Alessandro de volta à equipe titular do Corinthians, o técnico Tite sofreu um duro golpe com a fratura na clavícula do ombro esquerdo de Fábio Santos, que lesionou no clássico contra os santistas na Vila Belmiro. Assim sendo, pelos próximos dois meses, os corintianos tentarão se manter como a melhor defesa da Série A - 10 gols sofridos em 15 jogos, mesmo índice do Palmeiras.

Em apenas 10 partidas do ano, sendo só duas do Campeonato Brasileiro, Tite escalou aquela que define como sua defesa ideal, e conseguiu média de um gol sofrido por jogo. Júlio César, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos são os habituais titulares. "Com essa sequência, você repete a coordenação dos movimentos, faz as coisas sempre precisar olhar", explica o treinador.

Alessandro, que retornou à equipe principal contra o Santos na quarta-feira, elogiou Weldinho, seu substituto nos 12 jogos em que foi desfalque. "Valorizo muito o que fez, mostrou personalidade e fez jogos muito bons, mesmo não sendo experiente", disse ele, que é titular da posição pela quarta temporada consecutiva.

Retornando à equipe, Alessandro admitiu falta de ritmo e dificuldades. "Senti com certeza, foram mais de dois meses sem jogar. Fisicamente estava bem, mas tecnicamente eu estava muito aquém. Na sequência de jogos, vamos aumentando o nível técnico", estimou. Sua presença contra o Ceará, domingo no Pacaembu, é certa. Mas, mais uma vez, Tite não terá todos os titulares da zaga à disposição.

"É uma pena, porque o Fábio vivia um momento muito bom e vinha crescendo muito. Agora é ficar na torcida por uma sequência positiva do Ramon", definiu Alessandro. "Ele é nosso armador pelo esquerdo e nos dá uma ótima saída pela esquerda. Lastimo muito essa perda", acrescentou Tite.