Cielo e mais três são advertidos após serem pegos no doping

Principal nome da natação brasileira, o velocista Cesar Cielo teve resultado adverso para a substância proibida furosemida em um exame antidoping feito no Troféu Maria Lenk, em maio, no Rio de Janeiro. Além dele, campeão olímpico e mundial, outros três nadadores brasileiros também foram flagrados: Nicholas Santos, Vinícius Waked e Henrique Barbosa.

>>> Cielo admite uso de suplemento, mas nega 'imprudência' e 'imperícia'

De acordo com nota da CBDA, os envolvidos declinaram do direito de realização da amostra B e definiram com precisão como o diurético entrou no organismo, o que comprovou que não houve aumento dos seus desempenhos, fato que não ocorreu nesta competição.

Desta forma, a entidade optou apenas por uma advertência aos quatro atletas uma vez que não foi identificada culpa ou negligência por parte deles no episódio. O próprio Cielo, em nota oficial divulgada posteriormente, disse que "em nenhum momento foi imprudente ou negligente ou usei de imperícia".

"Pela segurança que tenho na utilização desse suplemento, creio que este resultado tenha sido um fato isolado. Por causa dessa mesma confiança, outros atletas também fizeram uso do suplemento. Fato que nos ensina muito", declarou.

Confira a íntegra do comunicado da CBDA

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos ¿ CBDA seguindo o que determina o Código Mundial Anti-Doping vem tornar público que os exames dos nadadores Cesar Cielo Filho, Nicholas Santos e Henrique Barbosa, do Flamengo, e Vinícius Waked, do Minas Tênis, em controle realizado por ocasião do Campeonato Brasileiro - Troféu Maria Lenk de Natação, e analisados pelo Laboratório INRS - Institut Armand Frappier, no Canadá, credenciado pela Agência Mundial Antidoping, acusou resultado analítico adverso para a substância Furosemida, da classe S5 Diuréticos. O Painel de Controle de Doping instaurado pela CBDA na sexta-feira, 01/07, presidido pelo Prof. Dr. Eduardo de Rose e também composto pela Dra. Sandra Soldan, Dr. Marcus Bernhoeft e o Dr. Cláudio Cardone considerou o histórico dos atletas e o regulamento da Federação Internacional de Natação. Os quatro atletas declinaram do direito de realização da amostra B. Os referidos atletas definiram com precisão como o diurético entrou no organismo, restando comprovado que não houve aumento dos seus desempenhos, fato que não ocorreu nesta competição. O painel, dentro do espírito da legislação da Federação Internacional de Natação - FINA, notadamente na regra DC 10.4, optou por uma advertência aos quatro atletas uma vez que não foi identificada culpa ou negligência por parte dos mesmos no episódio. De acordo com a regra DC 9 da FINA, os altetas perdem os resultados, prêmios, certificados e medalhas alcançados obtidos no Troféu Maria Lenk de Natação. A documentação que embasa as decisões descritas acima foi encaminhada à FINA nesta sexta-feira, 1/07.