Pela primeira vez, Super Bowl não terá cheerleaders em campo

 

O Super Bowl XLV, que reunirá Pittsburgh Steelers e Green Bay Packers no próximo domingo, trará uma novidade desagradável para muitos fãs da bola oval: a ausência de cheerleaders.

Isso mesmo, as estonteantes animadoras de torcida, que embelezam a maioria dos jogos da liga profissional de futebol americano não marcarão presença no Cowboys Stadium (lar das mais famosas cheerleaders dos Estados Unidos), justamente na partida mais esperada da NFL no ano, quebrando uma tradição de 45 anos.

Isso porque Green Bay e Pittsburgh são duas das seis franquias da liga que não contam com o apoio de uma horda de meninas entusiasmadas, pelo menos não de forma oficial (os Packers, eventualmente, são apoiados por um grupo de garotas da Universidade de Winsconsin).

O Super Bowl é o único evento do ano em que há animadoras de mais de uma equipe na beira do gramado.

Chicago Bears, Detroit Lions, Cleveland Browns, New York Giants e New York Jets são as outras equipes da NFL sem um time de animadoras. Em comum entre estas equipes está o fato de serem sediadas em cidades com invernos rigorosos (Green Bay é considerada a cidade mais fria dos Estados Unidos), fator prejudica a exibição da beleza das meninas. É a primeira vez que dois destes times se enfrentam na final.

Para compensar a falta de beleza fora de campo, a decisão da NFL vai reunir duas das equipes mais tradicionais da história do futebol americano. Os Steelers, com seis títulos em sete finais são os maiores vencedores do Super Bowl, ao passo que os Packers são os maiores vencedores da história da liga, com 12 títulos, três deles após a era Super Bowl (a partir de 1966).