Manifestantes correm por Nova Délhi com tocha alternativa

Agência AFP

NOVA DÉLHI - Quase mil manifestantes tibetanos iniciaram um revezamento hoje pelas ruas de Nova Délhi com uma tocha alternativa, horas antes da passagem da chama dos Jogos Olímpicos de Pequim pela capital da Índia, em um trajeto curto e cercado de rígidas medidas de segurança.

Liderados por monges budistas e com o apoio da população local, os manifestantes tibetanos partiram do mausoléu de Mahatma Gandhi, líder do movimento separatista não violento indiano, com uma tocha que simboliza o Tibete livre.

'Libertem o Tibete', gritavam os manifestantes. O governo tibetano no exílio pediu protestos não violentos durante a passagem da tocha olímpica pela Índia.

- Falamos aos manifestantes que os protestos devem ser pacíficos. Devem ser 'não violentos' - declarou Thubten Samphel, porta-voz do governo tibetano exilado em Dharamsala, norte da Índia.

Nova Délhi foi isolada e milhares de policiais e soldados foram mobilizados em toda a cidade para uma das etapas mais sensíveis da viagem mundial da tocha olímpica, marcada até o momento por violentos protestos contra o regime de Pequim.

As autoridades indianas encurtaram o percurso oficial na capital a 2,3km ao longo de Raj Path, uma avenida que liga o palácio presidencial à Porta da Índia.

Mais de 100 mil refugiados tibetanos vivem na Índia, entre eles o Dalai Lama, líder espiritual do budismo tibetano.

Para a polícia indiana existe o risco de que manifestantes tibetanos tentem se queimar vivos como protesto contra o regime de Pequim.

Em Mumbai, capital financeira do país, 25 tibetanos foram detidos quando tentavam atacar o consulado da China nesta quinta-feira.