Fifa decide não buscar mais punição para Taylor, do Birmingham

REUTERS

BERNA - A Fifa, entidade internacional que controla o futebol, decidiu nesta quinta-feira que não vai mais buscar nenhuma punição contra o zagueiro Martin Taylor, do Birmingham City, devido ao carrinho que deu no atacante Eduardo da Silva, do Arsenal.

A Fifa lançou um comunicado na quinta, sugerindo que o caso de Taylor seria discutido em uma reunião da entidade com a federação inglesa de futebol (FA), mas o porta-voz da Fifa, Andras Herren, disse depois que isso não seria necessário.

- A fala foi imprecisa. Haverá uma reunião no mês que vem com a FA, mas será uma troca de idéias sobre questões disciplinares em geral - afirmou.

- Não falaremos sobre o caso de Taylor em particular, porque já lidamos com isso. A FA nos mostrou as considerações que fez ao determinar as sanções e o caso não vai mais ser levado adiante pela Fifa.

Entretanto, ambos os lados acham que uma discussão seria benéfica, e esperamos que a reunião possa nos dar uma perspectiva mais ampla das questões envolvidas - frisou.

Taylor recebeu uma suspensão de três jogos por causa da jogada que deixou Eduardo, um brasileiro naturalizado croata, com uma perna quebrada e um tornozelo deslocado.

O presidente da entidade mundial, Joseph Blatter, afirmou a repórteres neste mês que a Fifa pretendia tomar medidas para coibir as jogadas responsáveis por provocar lesões graves.

- Estamos avaliando várias opções - disse Blatter, acrescentado que 'Mas uma possibilidade seria fazer com que, se o jogador lesionado ficar fora dos gramados por nove meses, então o jogador responsável pela lesão não poderá atuar novamente até que aquele volte aos campos.'

A federação inglesa disse que não pode impor uma pena mais pesada sobre Taylor sem provas de que o zagueiro teve a intenção de machucar Eduardo durante uma partida do Campeonato Inglês, ocorrida no dia 23 de fevereiro.

O jogador naturalizado croata, que perderá a Euro 2008 como resultado das lesões, aceitou o pedido de desculpas de Taylor. A maior parte dos comentaristas considerou que o carrinho do zagueiro foi mais desajeitado que maldoso.