Federação se nega a enviar documentos de "goleiro foragido"

Agência EFE

MADRI - A Federação Egípcia de Futebol se recusou a enviar os documentos de transferência do goleiro da seleção nacional, Essam El-Hadari, para o clube suíço Sion, com o qual o jogador assinou contrato após deixar do país, segundo publicou neste domingo a imprensa local.

Segundo o jornal independente Al-Masry al-Youm, a Federação considera que Hadari abandonou sua equipe de maneira ilegal, já que ainda pertence ao clube egípcio Al Ahli, um dos maiores da África.

Hadari foi eleito o melhor goleiro da Copa da África, realizada esse mês em Gana e vencida pela seleção egípcia pela segunda vez consecutiva.

O goleiro, cuja foto já aparece no site do Sion, afirma que administrou sua transferência "com muito profissionalismo", expressou sua admiração pelo Al Ahli e pediu que entendam sua situação, mas não deu mais explicações, segundo o jornal.

Hadari está sendo chamado de "goleiro foragido" pela imprensa egípcia e disse que já começou a treinar com sua nova equipe. O coordenador do Al Ahli, Hadi Khashaba, disse que se for necessário, a equipe enviará queixa à Fifa.

Segundo o dirigente, "o clube só aceita a contratação de seus jogadores através dos meios legais e com ofertas adequadas para o time e ajustadas ao nível de seus jogadores", afirmou.