Sexo e ecologia marcam apresentação do Brasil

Portal Terra

RIO - A apresentação brasileira para receber a Copa do Mundo de 2014, realizada nesta terça-feira, na sede da Fifa, em Zurique, na Suíça, contou com a participação de estrelas e com a promessa de ser "a maior Copa do Mundo da história".

O ministro dos Esportes, Orlando Silva Júnior, disse que o País pretende realizar a maior Copa do Mundo de todos os tempos.

- O Brasil inteiro está unido pelo sonho de realizar a Copa. É um projeto nacional. O futebol é um dos principais componentes da cultura brasileira. Nos aproxima como nação e nos distingue do mundo. Produzimos craques e conquistas. Hoje, mais do que nunca, somos uma pátria de chuteiras - completou.

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, assegurou que o País "está preparado para fazer o dever de casa" e assegurou que tudo dará certo nas obras, que durarão sete anos.

- A Copa deixará muito mais do que estádios modernos. Deixará uma herança para a população, como melhorias na segurança pública - disse Ricardo Teixeira.

Entretanto, foi o discurso do escritor Paulo Coelho o responsável por arrancar riscos da platéia que acompanhou a apresentação. Durante sua fala, Coelho chegou a comparar o futebol com uma relação sexual.

- A emoção do futebol é totalmente atípica. Já vi pessoas ficarem cinco horas discutindo sobre um jogo de futebol e nunca vi as pessoas ficarem tanto tempo discutindo uma relação sexual. Mas o futebol dura mais. Não que seja melhor ou pior - brincou o escritor.

O escritor aproveitou para mandar um recado para o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

- A partir de hoje, caso a Fifa decida nos conceder essa honra, posso garantir que o senhor (Blatter) terá a nossa dedicação e a mesma disciplina que os atletas dão dentro de campo - completou.

O governador do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB), destacou os aspectos ambientais e o potencial ecológico do País, como um diferencial brasileiro.

- A iniciativa da Fifa de realizar a Copa no Brasil contribuirá para que o desenvolvimento sustentável ajude o nosso povo a conservar esse insubstituível patrimônio ambiental - afirmou, citando o rio Amazonas como um dos trunfos brasileiros.

Blatter, ao final da apresentação, se disse impressionado com a preocupação do País com a questão ecológica na organização da Copa do Mundo.

- Eu não deveria dizer, mas realmente fiquei impressionado com a preocupação ecológica", disse, elogiando o bom-humor de Paulo Coelho.

- Ele tem um senso de humor muito específico e eu acho que isso é o futebol. Isso é o Brasil - concluiu.