Camisa 10 da Seleção de Futsal, Pito avalia desempenho pessoal e projeta sequência do Mundial

Pivô do Brasil comentou sobre a expectativa de gols durante o Mundial e falou da importância do último jogo da fase de grupos

Credit...

Camisa 10 e pivô da Seleção Brasileira de Futsal, Pito não foge da responsabilidade de ser uma das principais armas ofensivas da equipe. Depois de passar em branco nos amistosos preparatórios, o craque desencantou logo na estreia da Copa do Mundo FIFA, diante do Vietnã. Já na segunda rodada contra a República Tcheca, o pivô esbarrou tanto na trave quanto na grande atuação do goleiro adversário.

"O cara quando põe a Amarelinha sempre fica ansioso, sempre quer demonstrar porque está vestindo a camisa da Seleção, quer demonstrar para família, para os amigos, quer deixar sua marca, ainda mais sendo pivô, que é cobrado por gols. Então, fica essa pressão e às vezes acaba até atrapalhando. Nos amistosos não saiu, mas na Copa do Mundo no primeiro jogo já consegui fazer um gol, agora no segundo jogo teve essa ansiedade um pouco, bateu na trave, mas, claro, ao decorrer da competição espero abaixar um pouco essa adrenalina e ter mais consciência na hora da finalização", avaliou o jogador, que também comentou sobre mística camisa 10 da Seleção Brasileira:

"Tem esse peso da camisa 10, mas eu nunca fui muito de me apegar a números. Mas desde 2019 começaram a deixar a 10 para mim e eu fui jogando. Só que quando você entra na quadra, é mesma camisa dos outros. Claro que tem esse símbolo. E eu fico muito feliz por estar representando a 10, ainda mais a do Brasil."

Com seis pontos conquistados em dois jogos, o Brasil já garantiu presença nas oitavas de final, o que não significa que a meta para esse início de Mundial foi cumprida. O objetivo agora é confirmar a liderança do Grupo D e terminar a primeira fase com 100% de aproveitamento.

"Nós falamos desde o começo que esses três jogos serviriam para entrar numa reta final, que é o mata-mata, melhor preparado. Vamos buscar esse 100% dentro da competição e esse jogo é chave para isso, não podemos abaixar a guarda em nenhum momento. É treinar o que nós precisamos, o que estamos errando ainda e dar o nosso melhor para dar continuidade ao trabalho e ir com a moral boa para as oitavas de final", encerrou.(com Ascom CBF)