Serra ataca: é necessário ter um governo de "mãos limpas"

São Paulo - A dois dias da realização do primeiro turno das eleições, o candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, fez uma caminhada na tarde desta sexta-feira (1) pelo calçadão da rua Antônio Agu, centro de comércio popular de Osasco, na Grande São Paulo, e, após um período de "trégua", voltou a criticar abertamente o governo petista e sua principal adversária, a ex-ministra Dilma Rousseff.

Para Serra, além de o País precisar manter o crescimento na economia e as taxas de empregabilidade, é necessário ter um governo de "mãos limpas".

"O Brasil precisa de uma economia forte, ampliar a oferta de empregos e, acima de tudo, um governo de 'mãos limpas'. Nós precisamos ter uma administração limpa, sem escândalos, onde não se perca dinheiro com propinas nem desperdícios para usar esse dinheiro em benefício do nosso povo", discursou, após pouco mais de uma hora de caminhada. "Essa é a questão mais fundamental de todas", completou.

Questionado sobre qual era sua avaliação do período de campanha, Serra voltou a carga contra o PT e lembrou a violação de sigilo de sua filha Verônica Serra e do genro Alexandre Bourgeois. "Tirando violação de intimidade de família, tirando essas coisas, eu diria que foi bom. Mas infelizmente aconteceram esses episódios muito desagradáveis, principalmente, vindo de partes do PT". 

Serra faz coreografia de 'Pânico na TV' com ajuda de Alckmin

RAFAEL NARDINI , Portal Terra

O candidato do PSDB à presidência, José Serra, fez uma caminhada nesta sexta-feira (1) em Osasco, na Grande São Paulo, acompanhado pelos correligionários e candidatos Geraldo Alckmin (governo estadual), Aloysio Nunes (Senado) e José Aníbal (Câmara dos Deputados).

Serra encontrou eleitores de diversas idades, incluindo adolescentes da cidade que pediram ao tucano que fizesse a coreografia do personagem Charles Henriquepedia, o popular "Ah, Muleque!", do programa Pânico na TV. Serra atendeu os jovens prontamente e contou ainda com a ajuda do ex-governador paulista Geraldo Alckmin para executar a dança.