Gabeira tem programa cortado pelo TRE e diz que foi censurado

Isaac Ismar, Portal Terra

RIO DE JANEIRO - O candidato ao governo do Rio de Janeiro pelo PV, Fernando Gabeira, teve seu programa eleitoral de televisão da última segunda-feira (13) cortado em um minuto e 58 segundos pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). A liminar expedida pelo juiz Luiz Roberto Ayoub foi baseada na forma como foi feita a edição de um vídeo polêmico que seria exibido no programa. Nele, o governador Sergio Cabral, que é candidato à reeleição pelo PMDB, e estava acompanhado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, aparece xingando um jovem da periferia carioca.

De acordo com Gabeira, a sentença é uma forma de censura ao seu programa eleitoral de TV. "O argumento da sentença é de que houve trucagem ao mostrarmos a história do garoto Leandro de Manguinhos, que gravou uma conversa com Sérgio Cabral. Ora, se esta é a sentença, nosso único caminho é lutar contra a censura no TRE e no Supremo. Se o vídeo não está completo, a sentença deveria ser exibi-lo na totalidade para que os espectadores julgassem se houve alguma alteração no sentido. Não houve. Consideramos nosso dever exibir os dois vídeos, para que julguem se mostramos ou não uma verdade. Vivemos um momento onde o perigo da censura ronda as eleições", lamentou o candidato do PV através de um comunicado via internet.

O presidente do TRE-RJ, desembargador Nametala Jorge, rebateu a reclamação de Gabeira e afirmou que a instituição sempre julga os casos de maneira imparcial. "Trata-se de conduta pouco inspirada, incompatível com a tradição republicana e democrática do candidato. O TRE-RJ julga sempre com equidistância dos interesses das partes, sendo-lhe indiferentes cor, credo, classe social, segmento político, nome ou cargo. O candidato, inclusive, já obteve decisão favorável em processo que envolvia a mesma parte contrária e o mesmo juiz relator", afirmou Nametala.

"Draconiana e fulminante"

Ainda de acordo com Gabeira, a candidatura dele tenta lutar contra "as poderosas forças" do governo de Sergio Cabral. "Imaginem que o juiz concedeu liminar, mandou executar a sentença antes do julgamento do Tribunal, que deverá acontecer na próxima semana. Se vencermos no Tribunal, quem vai nos recompensar pelo tempo perdido? A decisão do juiz foi draconiana e fulminante", afirmou.

O candidato do PV disse ainda que não foi dado tempo à sua equipe para que o programa fosse reformulado. "São poderosas as forças que combatemos. Um governo que gasta R$ 430 milhões com propaganda e mantém sob controle com ajuda de verbas 91 dos 92 prefeitos. Nada disso vai nos deter nesse processo eleitoral, onde além de apresentarmos propostas, como oposição, somos obrigados a um árduo trabalho para neutralizar a propaganda oficial".

Ele disse também que a "truculência" não vai impedir o encontro de sua candidatura com os eleitores "conscientes" do Rio de Janeiro. "Todos os democratas nos darão apoio nesse episódio. Entramos na reta final da campanha e as manobras estão claras e esta clareza vai nos levar a um maior crescimento", disse.