Inadimplência do consumidor registra o segundo menor crescimento do ano

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor registrou alta de 2,9% em julho, na comparação com o mês anterior, representando o segundo menor crescimento de 2011. De acordo com os economistas da Serasa Experian esse resultado é decorrente de uma atitude mais cautelosa do consumidor em relação ao comprometimento de sua renda e às condições de crédito.

Ainda segundo os economistas, diante da política econômica restritiva para controle da inflação, o consumidor aproveita a evolução de sua renda para priorizar o pagamento e a renegociação das dívidas assumidas e ainda dá sinais de menor demanda por novos créditos.

Na análise anual – julho deste ano em comparação com o mesmo mês do ano passado – a inadimplência do consumidor cresceu 27,7%. No acumulado de janeiro a julho de 2011, em comparação com o mesmo período do ano anterior, o índice subiu 22,5%.

Na decomposição do indicador, a inadimplência com os bancos foi a principal responsável pela alta do índice mensal, com crescimento de 5,2% (contribuição de 2,4 pontos percentuais na variação total). As dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água), e os títulos protestados também colaboraram para a alta do indicador com variação de 1,2% (0,5 p.p) e 10,1% (0,2 p.p), respectivamente. Já os cheques sem fundos apresentaram queda de 2,0%, com contribuição negativa de 0,2%. 

Cai o valor médio das dívidas com os bancos

De janeiro a julho deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, o valor médio das dívidas com os bancos caiu 1,2%. As dívidas não bancárias também apresentaram queda de 21,6%. Já os títulos protestados e os cheques sem fundos tiveram alta de 14,6% e 7,7%, respectivamente.