Confiança da indústria fica estável em março

RIO - O Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou praticamente estável em março de 2011, na comparação com fevereiro, ao passar de 112,5 pontos para 112,4 pontos, em dados com ajuste sazonal, segundo informações da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Apesar da queda de apenas 0,1 ponto, a instituição lembra que esta é a terceira redução consecutiva do índice neste ano. Com isso, o ICI de março é o mais baixo desde novembro de 2009 (109,6 pontos). Medido em termos de média trimestral, o indicador de 112,6 pontos registrado em março é o menor desde janeiro de 2010 (112,2).

O Índice da Situação Atual (ISA) elevou-se em 0,8% neste mês, passando para 113,0, após ficar estável por dois meses consecutivos; enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 1,0%, para 111,7 pontos, o menor nível desde novembro de 2010 (110,7).

O quesito que mede o grau de satisfação com o ambiente dos negócios foi a maior influência para o aumento do ISA, de acordo com a pesquisa. Depois de reduzir-se consecutivamente entre março e novembro de 2010, o indicador acomodou-se nos últimos meses. A proporção de empresas que consideram a situação dos negócios como boa reduziu-se de 26,9% para 26,5%; já a parcela das que a avaliam como fraca diminuiu, em maior magnitude, de 7,6% para 3,9%.

As expectativas dos industriais tornaram-se menos otimistas com relação à produção nos três meses seguintes. O indicador do quesito reduziu-se pelo terceiro mês consecutivo, atingindo agora 128,5 pontos, o menor desde abril de 2010 (125,2), próximo da média histórica desde janeiro de 2003.

Das 1.170 empresas consultadas, 38,3% preveem aumento da produção no trimestre março-maio de 2011 e 9,8%, piora. Em fevereiro, estes percentuais haviam sido de 39,7% e 5,1%, respectivamente.