Ministério incentiva produção alternativa de argamassa

S O PAULO, 23 de agosto de 2010 - Rejeitos finos oriundos do beneficiamento de quartzito estão sendo utilizados como matéria-prima para fabricação de argamassa. A produção em escala piloto iniciou-se há cerca de 10 dias e gerou empregos diretos. Segundo o empresário João Bosco, da Tec-Química, empresa parceira do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCT) no projeto Tecnologia Avançada para Mineração de Quartzito da Paraíba, são produzidas seis toneladas de argamassa por dia.

O resíduo que hoje serve de matéria-prima para a argamassa provocava diversos danos ambientais e à saúde da população do município de Várzea, localizado a 320 km de João Pessoa (PB), na região de Seridó. Além de assorear rios, causava problemas respiratórios, entre eles a silicose, e atraía insetos peçonhentos.

Além dos rejeitos finos, a atividade produz rejeitos grossos. As aparas, como são denominados esses rejeitos, ainda provocam graves danos ambientais, uma vez que são depositadas em grande quantidade em terrenos próximos às serrarias. Uma solução tecnológica economicamente viável para o aproveitamento desse material está em estudo. Estima-se que serão geradas 15 toneladas de argamassa por dia, quando a empresa iniciar o beneficiamento das aparas, volume maior do que o produzido hoje.

A utilização do resíduo na fabricação de argamassa possibilitou que as empresas do ramo se adequassem às normas estabelecidas pela Superintendência de Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) e permitirá a continuidade da extração e beneficiamento do quartzito, principal atividade econômica da região. O órgão já havia notificado os empresários locais acerca da necessidade de melhoria dos processos, que geram 3000 quilos de rejeitos finos e 17 mil quilos de aparas por dia.

O quartzito é uma rocha ornamental com propriedade refratária. Por ser resistente a altas temperaturas, é utilizada como revestimento de paredes e piscinas, entre outros.

O projeto Tecnologia Avançada para Mineração de Quartzito da Paraíba objetiva expandir e organizar a atividade do APL de quartzito do Seridó, por meio da melhoria da qualidade do produto e do processo de fabricação da rocha, racionalizando o sistema de produção de forma integrada, com a introdução de novas máquinas e equipamentos.

Em julho, o Cetem entregou aos mineradores de Várzea 16 máquinas destinadas ao beneficiamento de quartzito, sendo 12 equipamentos de cortes manuais e semiautomáticos e quatro prensas. A maioria do maquinário adquirido será utilizada no aproveitamento dos rejeitos grossos, que poderão ser empregados em mosaicos de diversos tamanhos, telados, artefatos minerais, além de outros tipos de revestimentos de paredes. Parte desses rejeitos já é aproveitada na confecção de mosaicos telados.

(Redação - Agência IN)