Cesta de compras desacelera no RJ

SÃO PAULO, 27 de março de 2008 - A Cesta de Compras da cidade do Rio de Janeiro, que equivale ao consumo médio de todas as famílias residentes no município, manteve o ritmo de desaceleração e fechou a terceira semana de março com alta de 0,05%, de acordo com a Fecomércio-RJ. Na semana anterior, havia sido registrado um aumento de 0,27% e, na primeira, um avanço de 1,05%. Com o reajuste, o custo da Cesta sai de R$ 352,97 e vai para R$ 353,16.

'Apesar de os gastos das famílias cariocas continuarem em alta, a trajetória de desaceleração semanal está sendo mantida e já há famílias que gastaram menos nesta semana na comparação com a anterior. O bom período de chuvas no Sul e no Sudeste, a maior oferta de carne bovina no mercado interno, por conta do embargo europeu a parte das exportações brasileiras, e a previsão de início de uma safra agrícola recorde no País configuram um quadro favorável para a estabilização dos preços ao consumidor', explica, em nota, o coordenador do Núcleo Ecônomico da Fecomércio-RJ, João Carlos Gomes.

No período compreendido entre 15 e 24 de março, as famílias que recebem até oito salários mínimos perceberam uma alta de 0,18%. Para as que têm rendimento acima dessa faixa, o aumento foi menos intenso: 0,04%.

O tomate foi o item que ficou mais caro no período (5,88%), assim como a cenoura (3,49%) e a maçã (3,01%). Em contrapartida, os que ficaram mais em conta foram a batata (-3,25%), o desodorante (-2,30%) e a carne seca (-2,00%).

Na análise mensal (24 de fevereiro a 24 de março), o valor da Cesta de Compras subiu 1,58%. Nesse período, o preço do tomate também apresentou a maior variação positiva (17,89%), seguido pela maçã (16,29%), pelo feijão (16,01%) e pela banana prata (14,56%). Por outro lado, a batata (-14,88%), a carne bovina de primeira (-9,58%), o frango (-5,78%) e a carne seca (-5,19%) tiveram seus preços reduzidos.

No acumulado do ano, a Cesta registrou alta de 5,07%. Nos últimos 12 meses apurou-se um aumento de 13,51%.

(Redação - InvestNews)