Fibra adquire R$ 504,7 mi de outras instituições

SÃO PAULO, 25 de fevereiro de 2008 - Ao final do ano, o volume de operações adquiridas de outras instituições, principalmente de crédito consignado junto ao setor público e pensionistas do INSS, atingiu o volume de R$ 504,7 milhões, apresentando um crescimento de 50,1% em relação ao saldo de 2006.

A carteira total atingiu a cifra de R$ 4,5 bilhões, um aumento de 38,1% em relação ao mesmo período de 2006. O índice de inadimplência (créditos vencidos há mais de 90 dias sobre a carteira de crédito total) caiu pela metade, atingindo 0,8% em 2007, contra 1,6%, em dezembro de 2006. Esse resultado decorre principalmente do aperfeiçoamento dos processos de concessão de crédito no segmento varejo.

O saldo consolidado de provisões para créditos de liquidação duvidosa atingiu R$ 110,4 milhões, equivalente a 2,5% do volume total das operações de crédito, com 295,7% de cobertura para todos os créditos que apresentam atraso há mais de 90 dias.

Já os recursos captados pelo Fibra, em 31 de dezembro de 2007, correspondiam a R$ 4,6 bilhões - crescimento de 47,3% sobre o ano anterior. Em setembro, em meio ao aperto de liquidez causado pelos créditos subprime norte-americanos, foram finalizadas as seguintes operações conhecidas conjuntamente como A/B Loan: (i) Empréstimo A: nota indexada subscrita pela IFC, denominada em Reais, no valor equivalente a US$ 40 milhões, pelo prazo de 5 anos; e (ii) Empréstimo B: empréstimo sindicalizado, colocado com 11 bancos, no montante de US$ 160 milhões e prazo de três anos.

As captações para o comércio exterior atingiram R$ 775,6 milhões, o que representa um crescimento líquido de 72,2% em relação a 2006, quando foram verificados R$ 450,5 milhões. Foi captado o equivalente a R$ 155,9 milhões em emissões públicas e privadas de dívida subordinada, sendo R$ 101,5 milhões no Brasil através das primeiras emissões de CDB subordinado e R$ 54,4 milhões no exterior.

Ao final do ano as emissões de títulos no exterior atingiram o equivalente a R$ 663,2 milhões captados via programa de ´Euro Médium Term Notes´, dívida subordinada em US$ e o B Loan.

Desde junho, o Fibra conta em sua estrutura acionária com a International Finance Corporation (IFC) - braço de operações com o setor privado do Banco Mundial. A participação da IFC é de 7,9% das ações totais, equivalentes a US$ 20 milhões, na forma de capital. Nos termos do acordo, em julho o Fibra recebeu outros US$ 30 milhões, referentes a um empréstimo por sete anos.

A Standard & Poor´s Ratings Services elevou, em sua escala global, o rating de crédito de longo prazo de B+ para BB- e reafirmou o rating de curto prazo em B. A agência também elevou, em sua Escala Nacional Brasil, o rating de crédito de longo prazo de brBBB para brA-, e o de curto prazo, de brA-3 para brA-2, refletindo a sua visão a respeito dos sólidos indicadores do Banco, a sua melhor rentabilidade e os benefícios de suporte implícito por parte de seu controlador.

Em agosto de 2007, o Banco promoveu reestruturação organizacional instituindo o Comitê Executivo, onde são debatidos, semanalmente, os temas estratégicos e o acompanhamento dos resultados do Fibra, formado por cinco membros permanentes: o presidente do Conselho de Administração, o vice-presidente Executivo da Área Corporativa, o vice-presidente de Negócios de Varejo, o vice-presidente de Negócios de Atacado e Tesouraria e o Diretor Executivo da Área Financeira.

(Redação - InvestNews)